Saul Loeb / AFP
Saul Loeb / AFP

Trump ameaça a Venezuela com sanções econômicas

Presidente americano diz que EUA serão duros se Maduro levar adiante projeto de formar uma Assembleia Constituinte

O Estado de S.Paulo

17 Julho 2017 | 21h48

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, ameaçou a Venezuela nesta segunda-feira com "duras medidas econômicas" caso Nicolás Maduro vá em frente com seu projeto de Assembleia Constituinte. Trump disse que Maduro é "um mau líder que sonha em se tornar ditador".

"Os Estados Unidos não ficarão passivos enquanto a Venezuela desmorona", disse Trump em comunicado. "Se o regime de Maduro impõe sua Assembleia Constituinte em 30 de julho, os Estados Unidos tomarão rápidas e fortes medidas econômicas", afirmou o presidente americano, sem dar detalhes.

Trump saudou o plebiscito simbólico organizado pela oposição venezuelana no domingo, no qual 7,1 milhões de eleitores rejeitaram a Assembleia Constituinte.

A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, destacou que Washington "está preparado para adotar fortes e rápidas ações econômicas caso o governo da Venezuela leve adiante a Assembleia Constituinte".

Segundo Nauert, "a voz de milhões de venezuelanos não pode ser ignorada" e, por este motivo, Washington "apela ao governo da Venezuela para que abandone a proposta da Assembleia Nacional Constituinte".

O Departamento de Estado apela aos "países do hemisfério e de todo o mundo" para que peçam ao governo Maduro que "suspenda um processo que apenas busca minar a democracia venezuelana".

Durante o dia, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, avaliou que a participação na consulta simbólica organizada pela oposição na Venezuela representa uma mensagem "inequívoca" às autoridades.

"Felicitamos os venezuelanos pela enorme participação no referendo de domingo", disse Spicer, acrescentando que o governo americano "condena a violência dos valentões do governo contra eleitores  inocentes". / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.