Sarah Silbiger/The New York Times
Sarah Silbiger/The New York Times

Trump ameaça decretar emergência nacional para erguer muro na fronteira 

Presidente americano confirmou que pode manter governo paralisado por meses ou anos se impasse com democratas sobre orçamento persistir

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2019 | 19h36

WASHINGTON - Diante da negativa da oposição em designar parte do orçamento americano para financiar um muro na fronteira com o México, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou nesta sexta-feira, 4, declarar emergência nacional para ordenar a construção do projeto. A medida dispensaria a aprovação de fundos pelo Congresso, dominado pelos republicanos no Senado, mas com maioria democrata desde quinta-feira na Câmara. 

“Eu posso fazer (decretar emergência nacional) se eu quiser”, disse Trump em uma entrevista coletiva nos jardins da Casa Branca, após se reunir com líderes democratas no Salão Oval para discutir a paralisação parcial do governo, que já dura duas semanas. A paralisação mais longa da história americana ocorreu no governo de Bill Clinton – 21 dias – entre dezembro de 1995 e janeiro de 1996. 

Trump confirmou que poderia manter o governo americano paralisado por meses ou anos, como havia dito mais cedo, logo após a reunião com o presidente, o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer. No entanto, Trump afirmou que pretendia retomar as atividades públicas rapidamente. “Vamos trabalhar duro no fim de semana e ver o que teremos.”

Orgulho

Questionado se estava orgulhoso da paralisação, Trump afirmou que estava orgulhoso por ter feito mais nos últimos dois anos que qualquer outro presidente. 

“O Nafta foi um desastre e eu renegociei. Fizemos a reforma tributária, criamos empregos e geramos bilhões e bilhões de dólares para os EUA”, afirmou, acrescentando que o dinheiro para o muro na fronteira com o México seria uma ninharia se comparado com o bilhões de dólares gerados por seu governo com o acordo comercial com o país vizinho.

Na noite de quinta-feira, horas após assumir o controle da Câmara, os democratas apresentaram e articularam a aprovação de um pacote orçamentário para o fim da paralisação, mas sem dinheiro para o muro. 

A sessão foi comandada pela democrata Nancy Pelosi, eleita presidente da Casa horas antes. “O presidente não pode manter funcionários públicos como reféns porque ele quer construir um muro”, disse a parlamentar.

O projeto, porém, precisa ser votado pelo Senado, que deve vetá-lo. “Eu chamaria isso de teatro político, não de prática legislativa produtiva”, disse o líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell.

Reajuste

Enquanto 800 mil de cerca de 2,1 milhões de servidores federais estão sem pagamento com a paralisação, centenas de assessores do alto escalão do presidente Trump estão prestes a receber um aumento anual de cerca de U$ 10 mil, segundo reportagem do Washington Post

O aumento aos secretários, vice-secretários, administradores e até mesmo o vice-presidente, Mike Pence, está programado para ser pago a partir de hoje sem necessidade de aval do Congresso, de acordo com o jornal, que cita documentos do Escritório de Gestão de Pessoal. 

Na entrevista de hoje, Trump disse que estava considerando pedir ao seu gabinete que não aceite o reajuste enquanto o governo estiver paralisado. / AP, AFP, EFE e WASHINGTON POST 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.