Erin Schaff/NYT
Erin Schaff/NYT

Trump amplia pressão para Legislativos estaduais mudarem resultado das urnas

Após chamar à Casa Branca congressistas de Michigan, para convencê-los a não confirmar vitória de Joe Biden no Estado, presidente adotará mesma tática em Pensilvânia e Wisconsin, afirmam CNN e ‘Washington Post’; estratégia pode atrasar resultados

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2020 | 22h56

Donald Trump intensificou nesta sexta-feira, 20, sua estratégia para transformar a derrota nas urnas em vitória no colégio eleitoral. Na Casa Branca, recebeu uma delegação de congressistas estaduais de Michigan, Estado em que o democrata Joe Biden venceu por mais de 150 mil votos. O objetivo é pressionar os Legislativos locais, dominados pelo seu partido, para que ignorem o resultado e escolham os eleitores que decidirão o vencedor da eleição. 

Inconformado com a derrota, o presidente parece disposto a subverter mecanismos que antes eram apenas procedimentais e se beneficiar do fato de a eleição americana não ser direta – quem decide o presidente é um colégio eleitoral composto por 538 eleitores escolhidos pelos Estados. Michigan tem 16 votos. Por isso, sozinho, o Estado não seria capaz de reverter a vantagem de Biden (306 a 232).

Nesta sexta-feira, a CNN e o Washington Post, com base em relatos de fontes da Casa Branca, disseram que a campanha deve convidar também, nos próximos dias, congressistas da Pensilvânia (20 votos no colégio eleitoral) e de Wisconsin (10 votos), ampliando a estratégia para mais dois Estados vencidos por Biden – o democrata teve 80 mil votos a mais na Pensilvânia e venceu por 20 mil votos em Wisconsin.

O caminho, no entanto, é cheio de obstáculos. Um deles é o tempo. Na segunda-feira termina o prazo para que as comissões eleitorais estaduais certifiquem o resultado na Pensilvânia e em Michigan. Trump vem tentando adiar essa data nos tribunais, mas perdeu todas as ações legais sobre o tema. Por isso, partiu para a pressão pessoal. 

Os resultados em Michigan já foram certificados por todos os 83 condados e agora estão nas mãos do comitê eleitoral do Estado, composto por dois democratas e dois republicanos – um deles, Norman Shinkle, já disse que votará pelo adiamento da certificação. “Se há irregularidades, uma auditoria é o mais indicado”, disse. 

A tese de que os Legislativos estaduais podem subverter o resultados das urnas é altamente contestável – a grande maioria dos juristas garante que a manobra seria destruída na Justiça. No caso específico de Michigan, a governadora Gretchen Whitmer, democrata, teria poder de vetar qualquer decisão do Congresso local. 

Richard Primus, constitucionalista da Universidade de Michigan, afirmou que os congressistas que estiveram na sexta-feira na Casa Branca, se de fato cederem à pressão de Trump, podem ser indiciados criminalmente, já que a lei do Estado proíbe ao Legislativo mudar o resultado das urnas. 

“Uma pessoa quando está se afogando tenta se agarrar a qualquer coisa. Uma pessoa forte e capaz de levar outros com ele para o fundo”, escreveu Primus em artigo no Politico. “Até agora, os congressistas de Michigan – e dos outros Estados que Trump tenta virar, como Pensilvânia e Wisconsin – têm mantido certa distância. Espero que continuem assim.”

O Partido Republicano parece dividido quanto a estratégia. Na sexta-feira, dois deputados – Richard Hudson e Paul Gosar – disseram que o caminho escolhido pela campanha está dentro da lei. “Os Estados deveriam adiar a certificação dos resultados”, disse Hudson. “Os Estados têm poder de nomear os próprios eleitores”, afirmou Gosar.

Mas a oposição à estratégia vem crescendo, especialmente após a tumultuada entrevista coletiva do advogado de Trump, Rudy Giuliani, na quinta-feira. O ex-prefeito de Nova York, que fatura US$ 20 mil por dia para liderar a equipe legal do presidente, disse que Biden liderava um complô comunista que passava pela Venezuela.

Na sexta-feira, o senador Lamar Alexander e os deputados Kay Granger e Fred Upton – parte dos republicanos mais antigos do Congresso – pediram que Trump aceite a derrota. “É hora de seguir em frente”, disse Granger. “Ninguém conseguiu identificar qualquer sinal de fraude”, afirmou Upton . / NYT e WP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.