Scott Olson/Getty Images/AFP
Scott Olson/Getty Images/AFP

Trump anuncia oleoduto com o México que passará sob o 'muro'

Presidente diz que construção impulsionará ainda mais as exportações da energia americana; segundo o Departamento de Estado, duto permitirá o transporte de 108 mil barris diários

O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2017 | 19h14

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quinta-feira a aprovação de um oleoduto para exportar petróleo ao México, perto da cidade de Peñitas (Texas), e que "passará por baixo do muro" prometido na fronteira.

"O novo governo acaba de aprovar a construção de um oleoduto com o México, que impulsionará ainda mais as exportações de energia americana", disse Trump em uma conferência no Departamento de Energia dos EUA.

O governante americano acrescentou que "passará justamente por baixo do muro", em referência à sua polêmica promessa eleitoral de construir uma barreira física na fronteira com o México.

Trump não deu mais detalhes da situação nem do percurso deste novo oleoduto, ainda que posteriormente o Departamento de Estado tenha informado que se trata do New Burgos, que cruzará a fronteira perto da cidade de Peñitas e permitirá transportar 108 mil barris de petróleo por dia.

O anúncio foi feito durante um discurso em que o presidente defendeu a "revolução energética" que, segundo disse, os EUA estão vivendo sob seu governo com a supressão da excessiva carga de regulamentos aplicados por seu antecessor, Barack Obama.

"Estamos iniciando uma era dourada para a energia americana", acrescentou Trump, que reiterou sua intenção de revitalizar o setor do carvão e impulsionar a energia nuclear.

O governante americano terá oportunidade de comentar sobre o novo oleoduto na próxima semana na Cúpula do G-20, que será realizada em Hamburgo (Alemanha), onde a Casa Branca anunciou que terá um encontro bilateral com o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto.

A reunião entre Trump e Peña Nieto será a primeira entre ambos, e em um momento de tensões bilaterais pela controvertida promessa de construção do muro e a intenção do presidente americano de que o México arque com as contas, algo ao que o governo mexicano se opõe taxativamente. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.