Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Trump anuncia que enviará mais 1 mil soldados americanos à Polônia

Soldados se unirão aos 4,5 mil militares que os EUA mantêm no país; objetivo é desestimular uma possível agressão da Rússia

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2019 | 22h58

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira que enviará mais mil soldados americanos à Polônia.  O número é a metade do informado pelo próprio Trump uma hora antes de receber o presidente da Polônia, Andrzej Duda, na Casa Branca.

Em entrevista coletiva conjunta, o presidente americano explicou que esses soldados ficarão alojados em uma base financiada totalmente pela Polônia. Trump também revelou que os poloneses pretendem adquirir 32 caças F-35. "Estamos abrindo uma nova e emocionante era na relação entre os Estados Unidos e a Polônia", ressaltou o presidente americano.

Os soldados se unirão aos 4,5 mil militares que os EUA mantêm na Polônia como parte de um acordo firmado em 2016 com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

O pacto foi uma resposta da aliança militar à anexação da península ucraniana da Crimeia por parte da Rússia em 2014.

Os dois presidentes não informaram a data que os soldados americanos serão enviados ao território polonês. Trump, no entanto, chegou a dizer que esses militares seriam transferidos das bases que o país mantêm na Alemanha.

Trump também revelou que os dois governos assinaram hoje um acordo de prevenção ao crime que pode facilitar a entrada da Polônia no programa de isenção de vistos para turistas dos EUA.  "Tomaremos essa decisão nos próximos 90 dias", afirmou.

Antes da entrevista coletiva, Trump e Duda foram aos jardins da Casa Branca para assistir às manobras realizadas de dois caças F-35. A apresentação, segundo o governo dos EUA, foi uma forma de agradecimento à Polônia pela decisão de adquirir os aviões americanos.

Desde que chegou ao poder em 2015, Duda aumentou o orçamento do Ministério de Defesa, em parte para comprar mais material militar fabricado por empresas americanas, com o objetivo de conter qualquer ingerência da Rússia na região.

Quando esteve nos EUA em setembro do ano passado, o presidente polonês propôs a construção de uma grande base militar americana no país, que seria batizada como "Fort Trump".

Questionado sobre a proposta, Trump afirmou que ainda não tomou uma decisão, mas ressaltou que, caso a obra ocorra, a base seria "fenomenal", teria "ótima boa localização" e "instalações magníficas". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.