Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Trump ataca verbalmente uma jornalista por criticá-lo

Jornalista da MSNBC havia feio uma crítica contundente contra ele; a rede também reagiu pelo Twitter: 'um dia triste para os EUA'; republicanos criticam presidente

O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2017 | 15h25
Atualizado 29 de junho de 2017 | 18h03

Washington - O presidente Donald Trump atacou duramente de forma verbal nesta quinta-feira, 29, no Twitter, uma apresentadora do canal de televisão MSNBC, que antes havia feito uma crítica contundente contra ele.

"Ouvi a transmissão de pouca audiência @Morning Joe falar mal de mim (não vou ver mais)", tuitou Trump.

"Por que então a louca Mika, de baixo Q.I., junto com o doente mental Joe, vieram a Mar-a-Lago três noites seguidas perto do fim do ano e insistiram em me ver? Ela sangrava muito por causa de um face-lift. Eu disse não!", acrescentou Trump em uma segunda mensagem.

 

Os apresentadores Joe Scarborough e Mika Brzezinski, um casal na vida real, conduzem todas as manhãs o programa Morning Joe no canal progressista MSNBC.

Mika Brzezinski acabara de criticar a administração do presidente republicano que, segundo ela, deve ser vista "como uma empresa".

"Se alguém viesse à NBC e tomasse o poder e começasse a tuitar furiosamente sobre o aspecto das pessoas, a mentir todos os dias... essa pessoa seria destituída", respondeu a apresentadora. 

"Não é um comportamento normal. De fato, nós nos preocuparíamos que essa pessoa que dirige a empresa tivesse perdido a razão", acrescentou Brzezinski.

A cadeia também reagiu via Twitter: "É um dia triste para os Estados Unidos quando o presidente passa o tempo agredindo, mentindo e difundindo ataques pessoais mesquinhos em vez de fazer seu trabalho".

Parlamentares republicanos e outros criticaram a postura de Trump. "(Os tuítes) representam o que há de errado na política americana, e não a grandeza dos EUA", disse o senador republicano Lindsey Graham, enquanto outro senador republicano, Ben Sasse, descreveu as declarações de Trump como "ausentes da dignidade de seu gabinete".

A Casa Branca, no entanto, defendeu o presidente e afirmou que Trump não foi longe demais nos tuítes.

A tensão entre o presidente Trump e os meios de comunicação aumentou no início desta semana depois que a CNN teve de retirar um artigo sobre os vínculos do círculo de pessoas ligadas ao presidente com a Rússia, provocando o pedido de demissão de três experientes jornalistas da cadeia. / AFP e Reuters 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.