Mandel Ngan/AFP
Mandel Ngan/AFP

Trump autoriza fim de sigilo de investigações sobre interferência russa nas eleições de 2016

Presidente americano também tirou sigilo de investigações sobre o uso de um servidor privado para e-mails de governo da ex-secretária de Estado Hillary Clinton

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2020 | 09h00

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos,  Donald Trump, disse na terça-feira, 6, que autorizou a retirada do sigilo de todos os documentos relacionados às investigações federais sobre a interferência nas eleições russas nas eleições presidenciais de 2016 e também sobre o uso de um servidor privado para e-mails de governo da ex-secretária de Estado Hillary Clinton

"Eu autorizei totalmente o fim do sigilo total todos os documentos pertencentes ao maior crime político da história americana, o boato da Rússia. Da mesma forma, o escândalo de e-mail de Hillary Clinton", escreveu Trump no Twitter.

Relatórios produzidos por agências de inteligência em 2017 concluíram que a Rússia interferiu na eleição presidencial americana de 2016. Os estudos concluíram que a ação de Moscou teve como objetivo prejudicar a candidatura da democrata Hillary Clinton e ajudar Donald Trump

Em setembro deste ano, o diretor do FBI, Christopher A. Wray, afirmou em um comitê da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos que a Rússia está elaborando uma campanha de desinformação contra o ex-vice-presidente Joe Biden. Segundo ele, o objetivo da Rússia é "semear divisão e a discórdia" na sociedade americana.

Por sua vez, o caso dos e-mails de Hillary, que utilizou um servidor privado com fins profissionais quando era secretária de Estado (2009-2013), é um dos pontos que seus adversários republicanos exploraram com sucesso na última corrida pela Casa Branca.

Ela nega que o conteúdo das mensagens era secreto. Embora um inquérito tenha sido aberto em 2016, nenhuma irregularidade foi constatada até o momento. / Com Reuters e AFP 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Donald TrumpHillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.