Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

Trump cobrou US$ 10.200 por quartos para o Serviço Secreto em seu clube

Autos mostram que republicano deu continuidade a um hábito que começou nos primeiros dias de sua presidência: cobrar aluguel da corporação que protege sua vida

David A. Fahrenthold, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2021 | 10h00

BEDMINSTER, EUA - O clube de golfe do ex-presidente Donald Trump em Bedminster, Nova Jersey, cobrou do Serviço Secreto mais de US$ 10 mil pelos quartos de hóspedes usados por seu destacamento de proteção durante o primeiro mês de Trump no local, mostram planilhas de gastos recém-divulgadas.

Os autos - revelados pelo Serviço Secreto em resposta a um pedido de acesso a informação - mostram que o ex-presidente deu continuidade a um hábito que começou nos primeiros dias de sua presidência: cobrar aluguel da corporação que protege sua vida.

Desde que Trump deixou o cargo em janeiro, os contribuintes dos EUA pagaram às empresas de Trump mais de US$ 50 mil por quartos usados por agentes do Serviço Secreto, mostram os registros.

O Washington Post relatou anteriormente que Mar-a-Lago - onde Trump morou de janeiro, quando deixou a Casa Branca, até o início de maio - cobrou do Serviço Secreto mais de US$ 40 mil para que os agentes fossem alocados.

Esses registros recém-lançados fornecem a primeira prova de que, quando Trump se mudou para o norte, para Bedminster, as faturas continuaram chegando.

O Serviço Secreto divulgou ter pago a Bedminster, em maio, US$ 10.199,52. A agência ocultou o valor da diária, mas a cifra final dá uma pista: 10.199,52 é um múltiplo exato do valor que Beminster cobrava do Serviço Secreto enquanto Trump aindaera presidente: US$ 566,64 por noite por um "chalé" de quatro quartos na propriedade.

Com essa taxa, a conta de maio de 2021 teria pago 18 noites na casa de campo. Trump chegou a Bedminster em 9 de maio.

A conta de maio é a única que o Serviço Secreto divulgou do tempo de Trump em Bedminster este ano. Mas a agência divulgou outro documento mostrando que as cobranças provavelmente continuaram depois disso: um formulário de “solicitação de hotel”, cobrindo o período de 28 de maio a 1º de julho. O formulário mostrava que os agentes planejavam alugar quartos em Bedminster até pelo menos o início de julho.

Separadamente, o Serviço Secreto também divulgou outras contas mostrando US$ 3.400 em cobranças de Bedminster antes que o próprio Trump chegasse ao local. Esses documentos - de janeiro, fevereiro e início de maio - não diziam por que o Serviço Secreto estava no clube.

Nem a empresa familiar de Trump - a Organização Trump - nem a equipe política de Trump responderam a um pedido de comentário.

Uma porta-voz do Serviço Secreto não quis comentar, dizendo que a agência não fala sobre operações de proteção.

Especialistas jurídicos disseram que não existem leis que proíbam a empresa de Trump de cobrar o aluguel do Serviço Secreto em suas propriedades, durante ou após sua presidência. A taxa depende dele: por lei, o Serviço Secreto pode pagar o que for preciso para alugar quartos perto de seus protegidos para uso como postos de comando e salas de reunião.

“O serviço está mais focado na necessidade de proteção, em oposição ao preço. Não há nada que eles possam fazer se as taxas forem altas", disse Jonathan Wackrow, um antigo agente do Serviço Secreto que agora trabalha para a consultoria Teneo. “Não é uma questão de 'eles podem fazer isso?', mas uma questão de 'eles deveriam cobrar tanto assim?'"

O caso de Trump parece ser incomum entre presidentes e vice-presidentes americanos. Na história recente, o Post conseguiu encontrar apenas uma outra pessoa protegida que havia cobrado o aluguel do Serviço Secreto: Joe Biden. Como vice-presidente, Biden cobrou do Serviço Secreto US$ 2.200 por mês para usar uma casa de campo em sua propriedade em Delaware. No total, o democrata recebeu US$ 171.600 entre 2011 e 2017.

Biden não cobra o aluguel do Serviço Secreto desde que se tornou presidente em janeiro, disse um porta-voz da Casa Branca.

Ao todo, a empresa de Trump cobrou do governo mais de US $ 2,5 milhões durante sua presidência, de acordo com uma análise do Post sobre os registros de gastos federais.

Não está claro como a Organização Trump estabeleceu as taxas que cobra do Serviço Secreto em Mar-a-Lago ou Bedminster. Antes do Post revelar a extensão das acusações, o filho de Trump, Eric, disse em 2019 que a taxa era de "cerca de 50 dólares" por noite.

O Post agora examinou as cobranças de mais de 3.600 noites em propriedades Trump e não encontrou taxas tão baixas. Em vez disso, em Mar-a-Lago, as taxas variaram de US$ 396,15 a US$650 por quarto. Em Bedminster, a tarifa para o “Sarazen Cottage” de quatro cômodos era de US$ 566,64.

Como ex-presidente, Trump tem direito a uma pensão do governo de US$ 219 mil por ano; a Administração de Serviços Gerais disse que ele havia recebido US $ 99.323 até esta semana.

Jordan Libowitz, do grupo Citizens for Responsibility and Ethics em Washington, disse que - à luz dos outros ativos e receitas de Trump - ele deveria considerar permitir que o Serviço Secreto ficasse em suas propriedades gratuitamente.

“Ele obviamente deveria ter proteção do Serviço Secreto”, disse Libowitz. No entanto, Libowitz disse, "não há razão para que sua empresa não faça a coisa patriótica e apenas compense o governo pela segurança que está fornecendo a ele".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.