REUTERS/Joe Skipper
REUTERS/Joe Skipper

Trump comuta sentença de prisão de seu amigo Roger Stone

Ex-assessor foi condenado por obstruir uma investigação do Congresso americano

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2020 | 21h40

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comutou a sentença de prisão de seu amigo Roger Stone, condenado em fevereiro a 40 meses de prisão por obstruir uma investigação do Congresso ligada à conspiração russa nas eleições de 2016

"Roger Stone agora é um homem livre!", disse a Casa Branca em um comunicado dias antes do consultor político e confidente de Trump se apresentar na prisão federal para começar a cumprir sua sentença.

Stone foi condenado em novembro passado por mentir para o Congresso, manipular uma testemunha e obstruir a investigação da Câmara dos Deputados sobre se a campanha de 2016 de Trump. 

A declaração da Casa Branca reiterou a acusação de Trump de que o conselheiro especial Robert Mueller investigou um suposto crime que nunca foi cometido, argumentando que Stone nunca deveria ter sido acusado.

"O simples fato é que, se o advogado especial não tivesse realizado uma investigação absolutamente infundada, Stone não seria condenado à prisão", disse.

O governo Trump já tinha intervindo em uma oportunidade para ajudar Stone. Depois que os promotores recomendaram uma pena de sete a nove anos de prisão, o procurador-geral, Bill Barr, acusado de agir como advogado pessoal de Trump, qualificou esta decisão com excessiva.

Os quatro promotores que cuidam do caso o abandonaram e um promotor recém-nomeado recomendou de três a quatro anos de prisão.

Stone é um dos seis integrantes do círculo mais próximo do presidente em ter sido acusado ou condenado no caso da trama russa./AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Donald TrumpRoger Stone

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.