Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Shawn Thew / EFE
Shawn Thew / EFE

Trump concede perdão para o ex-chefe de sua campanha e para pai de seu genro

Dos 65 indultos e comutações que Trump concedeu antes desta quarta-feira, 60 foram para pessoas que tinham um vínculo pessoal com o presidente

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2020 | 21h52

WASHINGTON  - O presidente Donald Trump emitiu nesta quarta-feira, 23, indultos e comutações de sentenças para 29 pessoas, incluindo o ex-chefe da sua campanha Paul Manafort e Charles Kushner, o pai de seu genro, Jared Kushner.

As ações elevam para 49 o número de pessoas que Trump nos últimos dois dias concedeu clemência por meio de perdões ou comutações de sentenças.

Na terça-feira, ele perdoou duas pessoas que foram condenadas na investigação do advogado especial Robert Mueller, ex-parlamentares que foram seus primeiros apoiadores e ex-contratados do governo condenados pelas mortes de civis iraquianos.

Também na lista divulgada nesta quarta-feira estava Margaret Hunter, a esposa do ex-deputado Duncan Hunter, republicano da Califórnia. Ambos confessaram serem culpados de acusações de uso indevido de fundos de campanha para despesas pessoais.

Hunter havia sido perdoando por Trump na terça-feira, 22, como parte de uma primeira onda de concessões de clemência antes do Natal para 20 condenados, mais da metade dos quais não atendeu às diretrizes do Departamento de Justiça para consideração de perdões ou comutações. Eles incluíam um ex-guarda da Blackwater condenado à prisão perpétua por seu papel na morte de 17 civis iraquianos em 2007.

Dos 65 indultos e comutações que Trump concedeu antes desta quarta-feira, 23, 60 foram para peticionários que tinham um vínculo pessoal com Trump ou que ajudaram em seus objetivos políticos, de acordo com um levantamento feito pelo professor da Escola de Direito de Harvard Jack Goldsmith. Embora não existam números semelhantes para presidentes anteriores, especialistas jurídicos dizem que presidentes anteriores concederam uma porcentagem muito menor para aqueles que poderiam ajudá-los pessoal e politicamente. / AP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.