Michael Appleton/The New York Times
Michael Appleton/The New York Times

Trump concederá perdão a comentarista conservador condenado por violar leis de campanha

Dinesh D’Souza admitiu em 2014 que reembolsou ilegalmente dois ‘doadores falsos’ que ofereceram US$ 10 mil cada para a campanha fracassada da republicana Wendy Long ao Senado de Nova York em 2012

O Estado de S.Paulo

31 Maio 2018 | 14h21

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta quinta-feira, 31, que concederá um perdão total ao comentarista conservador Dinesh D’Souza, que em 2014 foi condenado a cinco anos de condicional por ter violado leis federais de campanha.

+ Trump recebe Kim Kardashian na Casa Branca para falar sobre justiça carcerária

+ Braço direito de Kim Jong-un se reúne com Pompeo para preparar cúpula com Trump

“Concederei um perdão total a Dinesh D’Souza hoje. Ele foi tratado muito injustamente pelo nosso governo”, disse Trump em sua conta no Twitter.

+ Trump se envolve em polêmica de tuíte racista de comediante Roseanne Barr

+ Artigo: Donald Trump e a arte da enrolação

D’Souza, de 53 anos, admitiu em maio de 2014 que reembolsou ilegalmente dois “doadores falsos” que ofereceram US$ 10 mil cada para a campanha fracassada de Wendy Long, uma republicana que ele conhece desde que os tempos em que estudava na Faculdade de Dartmouth no início dos anos 1980, ao Senado de Nova York em 2012.

À época, o governo disse que uma pena de prisão de 10 a 16 meses era apropriada para D’Souza e necessária para desencorajar outras pessoas a abusarem do processo eleitoral, inclusive “indivíduos abonados que são tentados a usar seu dinheiro para ajudar outros candidatos”.

O caso contra D’Souza, um crítico do ex-presidente democrata Barack Obama, levou alguns conservadores a acusarem o governo de processar de forma seletiva. Preet Bharara, na época procurador de Manhattan e encarregado do caso, era um indicado de Obama. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.