Jonathan Ernst / Reuters
Jonathan Ernst / Reuters

Trump congela ativos do governo de Maduro nos EUA; Guaidó diz que ação 'protege' venezuelanos

Restrições colocam a Venezuela no mesmo patamar de Coreia do Norte, Irã, Síria e Cuba

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2019 | 00h06
Atualizado 06 de agosto de 2019 | 11h54

WASHINGTON - O presidente Donald Trump ordenou nesta segunda-feira, 5, o congelamento de todos os ativos do governo venezuelano nos Estados Unidos, na última ação de Washington contra o presidente Nicolás Maduro.

"Decidi que é necessário bloquear as propriedades do governo da Venezuela devido à continuação da usurpação do poder pelo regime ilegítimo de Nicolás Maduro", disse Trump em carta à presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi.

A determinação afeta "todos os bens e interesses de propriedade do governo da Venezuela nos Estados Unidos", ativos que a partir de agora "estarão bloqueados e não poderão ser transferidos, pagos, exportados, retirados ou administrados". A medida também proíbe transações com as autoridades venezuelanas cujos ativos estejam bloqueados.

Por fim, veta a concessão ou recepção de "qualquer contribuição ou provisão de fundos, bens ou serviços por ou para o benefício de qualquer pessoa cujas propriedades e interesses estejam bloqueados".

The Wall Street Journal destacou que Washington não aplicava tal medida a um governo do Hemisfério Ocidental há mais de 30 anos, e que as restrições colocam a Venezuela no mesmo patamar de Coreia do Norte, Irã, Síria e Cuba.

No dia 1º, Trump disse que estava considerando uma quarentena ou bloqueio contra a Venezuela, à medida que Washington eleva a pressão para que Nicolás Maduro deixe o poder. Até agora, Washington tem focado em exercer pressão econômica e diplomática contra Maduro enquanto evita abordar qualquer tipo de ação militar Os EUA e a maioria dos países ocidentais reconhecem o líder político opositor Juan Guaidó como presidente da Venezuela.

Bloqueio visa 'proteger venezuelanos'

O líder opositor Juan Guaidó, reconhecido pelos Estados Unidos como presidente interino da Venezuela, garantiu nesta segunda-feira que o bloqueio imposto por Washington ao governo de Maduro busca "proteger os venezuelanos".

"A ação é consequência da soberba de uma usurpação inviável e indolente. Aqueles que a mantêm, beneficiando-se da fome e da dor dos venezuelanos, devem saber que há consequências", escreveu Guaidó no Twitter. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.