Washington Post / Jabin Botsford
Washington Post / Jabin Botsford

Trump considera nomear genro para a chefia de gabinete

Fontes disseram ao site 'Huffington Post' que o presidente se reuniu nesta quinta-feira com Jared Kushner para discutir a questão

O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2018 | 23h41

WASHINGTON ― O presidente americano, Donald Trump, está considerando seu genro Jared Kushner para o cargo de chefe de gabinete, revelou o site Huffington Post.

Kushner, que é casado com Ivanka Trump e já atua como assessor da Casa Branca, se reuniu nesta quinta-feira com o presidente para discutir a questão, disseram fontes ligadas à presidência.

Ele tem promovido sua candidatura, citando seu trabalho em um pacote de reformas da Justiça criminal e sua habilidade para lidar com os democratas, revelou uma fonte.

Trump anunciou no sábado que o atual chefe de gabinete, John Kelly, deixará o cargo até o fim do ano.

Nick Ayers, o atual chefe de gabinete do vice-presidente Mike Pence, era considerado o favorito para suceder a Kelly, mas ele anunciou pelo Twitter no domingo que isso estava fora de consideração.

Trump é conhecido por seu temperamento forte e por fazer exigências que são ilegais ou impossíveis de serem atendidas. 

Esperava-se que Kelly, um general da reserva da Marinha, levasse ordem à Ala Oeste da Casa Branca quando ele assumiu o cargo em meados de 2017. Apesar disso, o caos que marcou os primeiros seis meses do governo Trump, com Reince Priebus como chefe de gabinete, continuou.

Segundo as fontes, há cinco finalistas para o posto, mas não se sabe quem são. O ex-vice-diretor de campanha de Trump, David Bossie, deve almoçar com Trump nesta sexta-feira na Casa Branca. O ex-presidente da Câmara Newt Gingrich também estaria sendo considerado para o cargo.

Após Ayers rejeitar a candidatura, Trump teria cogitado os nomes do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, o representante de Comércio Robert Lighthizer, o assessor econômico Larry Kudlow e o congressista republicano da Carolina do Norte Mark Meadows. Mas todos eles rejeitaram, disse uma fonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.