Trump contra a imprensa independente

Presidente americano critica CNN e revista ‘Time’, leva o troco e abre mais um capítulo na guerra da Casa Branca contra veículos críticos ao governo

O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2017 | 05h00

WASHINGTON - Depois de uma breve pausa para o feriado de Ação de Graças, o presidente dos EUA, Donald Trump, voltou neste domingo, 26, para Washington. Antes, resolveu abrir mais um capítulo em sua pendenga cotidiana com veículos de imprensa críticos ao seu governo. O primeiro alvo foi a TV CNN.

“A Fox News é muito mais importante para os Estados Unidos do que a CNN. No entanto, fora dos EUA, a CNN ainda é uma grande fonte de (falsas) notícias e representa nosso país de uma maneira muito pobre. O mundo lá fora não vê a verdade”, escreveu Trump em sua conta no Twitter. O canal de TV respondeu imediatamente com um tuíte irônico. “Não é o trabalho da CNN representar os EUA para o mundo. Este trabalho é o seu. Nosso trabalho é reportar notícias.”

Mais cedo, o presidente americano se envolveu em outra discussão, desta vez com o revista Time. Na sexta-feira, Trump postou no Twitter que “provavelmente” seria escolhido o “homem do ano” pela publicação, mas que havia “rejeitado” a honraria. “A revista Time ligou para dizer que eu provavelmente serei nomeado “homem do ano”, como no ano passado, mas que tinha de conceder uma entrevista e fazer uma grande sessão de fotos. Eu disse que provavelmente não seria bom e dispensei. Agradeço, de qualquer forma.”

Algumas horas depois, a revista o rebateu na mesma rede social. “O presidente está incorreto sobre como escolhemos “o homem do ano”. A Time não comenta sobre nossa escolha até a publicação, que é em 6 de dezembro.” Alan Murray, diretor de conteúdo da revista, disse que a declaração era “incrível” e “sem nenhum traço de verdade”.

A fixação de Trump pela revista Time não é nova. Em junho, o jornal Washington Post descobriu que ele matinha em seus clubes de golfe um curioso item de decoração: uma capa falsa da Time em que ele aparecia posando como destaque. A capa estava emoldurada e pendurada em pelos menos cinco clubes. 

Com data de 1.º de março de 2009, as capas traziam uma manchete dizendo: “Donald Trump: o Aprendiz é um sucesso televisivo!” e outra frase, em letras maiúsculas: “Trump está atacando em todas as frentes. Até na TV!”. A revista afirmou que as capas eram falsas e pediu que os quadros fossem retirados de seus resorts de golfe.

Em outubro, Trump provocou a rede NBC. Ele usou o Twitter para ameaçar cassar a licença da TV. “Com todas essas notícias falsas sendo veiculadas pela NBC e outras redes, em que ponto é apropriado questionar suas licenças?”, tuitou o presidente. A declaração foi criticada até por congressistas republicanos, que citaram a Primeira Emenda da Constituição dos EUA que garante a liberdade. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.