Reuters/Damir Sagolj
Reuters/Damir Sagolj

Trump defende uso do termo 'vírus chinês' para o coronavírus: 'Não é racista'

Nomenclatura gerou nova crise entre Washington e Pequim, que trocam acusações sobre a origem da covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 07h38

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu nessa quarta-feira, 18, o uso do termo "vírus chinês" para designar o coronavírus. Ignorando um crescente coro de críticas de que o termo é racista e anti-chinês, o presidente vem fazendo uso cada vez mais frequente da nomenclatura. "Não é racista", disse Trump, explicando sua lógica. "(O vírus) É da China, é por isso".

Mas o termo irritou as autoridades chinesas e uma grande variedade de críticos. Especialistas da China dizem que rotular o vírus dessa maneira só aumentará as tensões entre os dois países, resultando no tipo de xenofobia que os líderes americanos devem desencorajar. Asiáticos-americanos relataram incidentes de insultos raciais e abusos físicos por causa da percepção errônea de que a China é a causa do vírus.

"O uso desse termo não é apenas corrosivo em um contexto global, inclusive nos EUA, mas também alimenta uma narrativa na China sobre um ódio americano mais amplo e o medo não apenas do Partido Comunista Chinês, mas também da China e do povo chinês em geral", disse Scott Kennedy, especialista em China do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

Durante um encontro com a imprensa na Casa Branca na terça-feira, 17, Trump disse aos repórteres que estava anexando "China" ao nome do vírus para combater uma campanha de desinformação promovida pelas autoridades de Pequim, que estariam afirmando que os militares americanos eram a fonte do surto.

"Não gostei do fato de a China estar dizendo que nossos militares transmitiram o vírus para eles", disse Trump. "Acho que dizer que nossos militares contagiaram eles cria um estigma".

Em dois tweets publicados na manhã de quarta-feira, Trump se referiu ao "vírus chinês". Quando lhe perguntaram sobre o termo durante outra aparição no comunicado diário de coronavírus da Casa Branca no final do dia, ele insistiu que estava simplesmente apontando um fato: que a doença foi detectada pela primeira vez na China.

As autoridades de saúde pública tentam evitar nomes que possam resultar em comportamento discriminatório contra lugares ou grupos étnicos desde que lançaram diretrizes mais rigorosas para nomear vírus, em 2015. Mas, após a coletiva de imprensa, o twitter da Casa Branca criticou o que chamou de "ultraje falso da mídia", apontando para outras doenças que receberam nomes de lugares, incluindo o vírus Ebola e o vírus do Nilo Ocidental.

Kennedy disse que a linguagem passada usada por Trump e seu governo eliminou qualquer benefício da dúvida. "Dado o longo histórico de declarações e ações do governo Trump sobre imigração, imigrantes e questões de raça", disse ele, "o uso desse termo não pode ser senão interpretado como xenofóbico e tingido de conotações racistas".

Na coletiva de imprensa de quarta-feira, um repórter também perguntou ao presidente o que ele pensava de um funcionário não identificado da Casa Branca se referindo ao coronavírus como a "gripe Kung". Trump se esquivou dessa questão antes de afirmar que os chineses "provavelmente concordariam" com o coronavírus como o vírus "chinês", embora as autoridades chinesas tenham deixado claro que não.

Historiadores médicos e especialistas em saúde pública - incluindo alguns no governo Trump - enfatizaram que as pandemias não têm etnia e enfatizaram que associá-las a um grupo étnico pode levar à discriminação.

Mas desde o início do surto em Wuhan, Trump repetidamente sinalizou em seus comentários públicos que ele via o vírus como uma ameaça estrangeira e destacou repetidamente sua decisão inicial de fechar as fronteiras americanas aos viajantes chineses.

"Fizemos o isolamento da China, a fonte, muito, muito cedo", disse Trump a repórteres na terça-feira. "Muito antes do que os grandes profissionais queriam fazer. E acho que, no final, isso será - isso salvará um número tremendo de vidas".

Yanzhong Huang, membro sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores, disse que as medidas de viagem de Trump ficaram muito aquém de uma abordagem abrangente que incluiria testes e quarentenas, e no geral eram "muito pouco, muito tarde".

O vírus provavelmente surgiu na China, em novembro ou dezembro, e está claro que alguns viajantes da China já estavam espalhando o vírus dentro dos Estados Unidos em janeiro, antes que as restrições entrassem em vigor no início de fevereiro, disse Huang.

Ainda assim, desde o início do surto, Trump e altos funcionários do governo têm procurado culpar a disseminação do vírus na China, e Pequim respondeu da mesma forma. A indicação de que país fez menos para conter a doença causou tensões entre as duas nações quase diariamente.

Desconfiança mútua

Na terça-feira, o governo chinês anunciou que expulsaria jornalistas dos principais meios de comunicação, incluindo o The New York Times, em resposta à decisão do governo Trump de limitar o número de cidadãos chineses que trabalham nos Estados Unidos em cinco meios de propaganda.

Na semana passada, Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, compartilhou a teoria da conspiração de que os Estados Unidos estavam por trás do vírus. "Pode ser o exército dos EUA que trouxe a epidemia para Wuhan", disse ele no Twitter. "Seja transparente! Torne públicos seus dados! Os EUA nos devem uma explicação!", escreveu.

A mudança mais sombria nas relações EUA-China se espalhou para discussões públicas e desconfiança privada. Embora os dois países tenham dito que o acordo comercial que assinaram em janeiro permanece no caminho certo, as autoridades americanas culparam a China por manipular mal a epidemia de coronavírus, bem como por reter as exportações de máscaras faciais e outros equipamentos médicos de proteção.

Dentro do governo Trump, algumas autoridades que acompanham a China discutiram em particular uma teoria de que o vírus não surgiu a partir de um mercado público em Wuhan, como muitos relatos apontam, mas de um laboratório do governo chinês nas proximidades, onde os virologistas estavam realizando pesquisa.

Essa teoria foi discutida na Fox News pelo senador Tom Cotton, republicano do Arkansas, um aliado de Trump.

Charlie Woo, diretor executivo da Megatoys e presidente do comitê de políticas públicas do 'Comitê dos 100', - uma organização de proeminentes chineses-americanos - disse que a fala do governo estava dividindo o povo durante uma emergência nacional.

"Essa crise requer ciência, fatos e linguagem clara, não medo, apontar de dedos e xenofobia por nossos funcionários públicos", disse Woo em comunicado. "Enfrentamos uma pandemia global que exige uma resposta verdadeiramente global e unificada. Tentativas de atribuir o vírus a uma cultura, etnia ou país só podem atrapalhar esse esforço, alienando pessoas que poderiam colaborar e apoiar umas às outras."

Desafiadores diante das críticas, os aliados do presidente se juntaram a ele na quarta-feira na defesa de suas referências a um vírus chinês.

Kellyanne Conway, conselheira do presidente, disse que Trump estava apenas tentando ser preciso. "Acho que o que o presidente está dizendo é que foi onde começou", disse ela a repórteres na entrada da Casa Branca.

O senador Charles E. Grassley, republicano de Iowa, usou o Twitter para comentar o caso. "Eu não entendo por que a China fica chateada, porque nos referimos ao vírus que se originou lá como 'vírus chinês', a Espanha nunca ficou chateada quando nos referimos à gripe espanhola em 1918 e 1919."

Apesar do nome, a "gripe espanhola" é, em si, um termo impróprio: os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dizem que os especialistas ainda não sabem ao certo onde a doença se originou.

A designação do termo também se estendeu como parte do esforço de reeleição de Trump. Em uma mensagem enviada por e-mail aos apoiadores e publicada em seu site, a campanha Trump-Pence 2020 alimentou o impulso de culpar Pequim pela propagação do vírus. Também acusou Joe Biden, que lidera as prévias do Partido Democrata, de "tomar partido dos chineses".

"Os Estados Unidos estão sob ataque - não apenas por um vírus invisível, mas pelos chineses", disse o apelo da campanha, publicado na quarta-feira.

Ele acrescentou: "O que Joe Biden está fazendo enquanto tudo isso está acontecendo? Ao lado dos chineses e atacando o candidato presidencial do qual a China tem mais medo: Donald Trump".

Talvez nenhum funcionário do governo tenha sido tão incisivo ao conectar o vírus à China quanto o secretário de Estado Mike Pompeo. Em uma coletiva de imprensa na terça-feira, Pompeo se referiu seis vezes ao coronavírus como o "vírus de Wuhan", depois da cidade que foi o epicentro do vírus na China.

Mesmo quando disse que "agora não é hora de recriminar", Pompeo também acusou novamente a China de minimizar a ameaça representada pelo que agora é uma pandemia.

"Sabemos disso: sabemos que o primeiro governo a tomar conhecimento do vírus Wuhan foi o governo chinês", disse Pompeo. "Isso impõe uma responsabilidade especial de levantar a bandeira e dizer: 'Temos um problema. Isso é diferente, único e apresenta riscos.' E levou muito tempo para o mundo se conscientizar desse risco que estava ali, residindo na China".

"O Partido Comunista Chinês tinha a responsabilidade de fazer isso - não apenas para americanos e italianos e sul-coreanos e iranianos que agora estão sofrendo, mas também para seu próprio povo", disse Pompeo.

Pompeo disse que as expulsões são apenas o exemplo mais recente de como a China quer "negar ao mundo a capacidade de saber o que realmente está acontecendo dentro de seu país".

Oficiais do governo americano na China questionaram publicamente se o coronavírus se originou em Wuhan, como acreditam as autoridades de saúde.

Mas uma importante autoridade do Departamento de Estado disse na quarta-feira que o presidente Xi Jinping, da China, no início de janeiro, se referiu repetidamente ao coronavírus como a doença "Wuhan", e que muitos cidadãos chineses ainda o fazem./ NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.