U.S. Embassy Ulaanbaatar via AP
U.S. Embassy Ulaanbaatar via AP

John Bolton, ideólogo da pressão contra Venezuela e Irã, deixa a Casa Branca

Demissão ocorre em meio a divergências sobre como lidar com desafios de política externa americana

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2019 | 13h17
Atualizado 11 de setembro de 2019 | 05h41

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demitiu John Bolton, seu terceiro assessor de Segurança Nacional, nesta terça-feira, 10. Trump anunciou a saída por meio de sua conta no Twitter, em meio a divergências sobre como lidar com desafios de política externa americana, como o Irã, Coreia do Norte e o Afeganistão.

Bolton também foi o idealizador da política de pressão total sobre a Venezuela, para tentar derrubar o regime do presidente chavista Nicolás Maduro dando apoio para o líder opositor Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela no começo do ano.

Em novembro do ano passado, John Bolton  se reuniu no início com o presidente Jair Bolsonaro, na casa de Bolsonaro. Na ocasião, o presidente bateu continência para o então assessor de Segurança Nacional dos EUA e ofereceu a ele um café da manhã com suco e pão com leite condensado. 

O presidente disse que nomeará seu substituto na próxima semana. O enviado dos EUA na Coreia do Norte, Stephen Biegun, está entre os nomes mais cotados para substituir Bolton como assessor de Segurança Nacional.

A notícia, conhecida dias depois de Trump revelar o cancelamento de conversas secretas com o Taleban no Afeganistão, surpreendeu Washington.

Bolton ajudou a colocar a América Latina como um dos focos da política externa americana na segunda metade do governo Donald Trump, especialmente as crises na Venezuela e na Nicarágua, além de uma piora nas relações com Cuba. Ao comentar essa nova política, em março, o assessor de Segurança Nacional, John Bolton, declarou que “a Doutrina Monroe estava bem viva”.

“Informei John Bolton ontem à noite que seus serviços não são mais necessários na Casa Branca. Discordei fortemente de muitas de suas sugestões, assim como outros do governo, e, portanto, pedi a John sua demissão, que ele me entregou nesta manhã. Agradeço muito a John por seu serviço. Vou nomear um novo consultor de segurança nacional na próxima semana", escreveu Trump em sua conta no Twitter.


Bolton, no entanto, rebateu a versão de Trump de que teria sido demitido. Segundo o ex-assessor, foi ele quem pediu demissão. 

Saída em momento de abertura

Sua saída ocorre no momento em que Trump busca abertura diplomática com dois dos inimigos mais importantes ​​dos Estados Unidos, esforços que atrapalharam os linha-dura no governo, como Bolton, que vê a Coreia do Norte e o Irã como não confiáveis.

Trump continuou elogiar Kim Jong-un, o líder da Coreia do Norte, apesar da recusa de Kim em renunciar ao seu programa nuclear e apesar dos repetidos testes de mísseis de curto alcance do Norte que abalaram seus vizinhos.

Nos últimos dias, Trump manifestou vontade de se reunir com o presidente Hassan Rouhani, do Irã, sob as circunstâncias certas, e até de estender financiamento de curto prazo a Teerã, embora a oferta tenha sido até agora rejeitada.

Um defensor da abordagem dura na política externa

Conhecido por seus notórios bigodes, Bolton é uma figura controversa por seu estreito vínculo com a invasão do Iraque e foi considerado um dos principais impulsionadores da abordagem dura de Trump em política externa.

Ele foi um dos promotores do falso argumento sobre as armas de destruição em massa de Saddam Hussein, que levou à invasão do Iraque em 2003. Em 2006, ele teve de deixar o cargo de embaixador americano na ONU depois de apenas 14 meses, em razão da recusa do Senado dos EUA em confirmá-lo para o posto.

Como é frequentemente o caso na presidência de Trump, a partida abrupta do conselheiro de segurança nacional parecia marcada pelo caos. 

O anúncio de Trump no Twitter foi feito logo após a assessoria de imprensa da Casa Branca dizer que Bolton daria uma entrevista coletiva sobre questões de terrorismo ao lado do secretário de Estado, Mike Pompeo, e do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin. 

Pompeo, que travou duras disputas com Bolton nos últimos meses, não escondeu o alívio com a decisão do presidente. “Ele deve ter pessoas confiáveis”, afirmou. “Nós tínhamos diferentes visões sobre como deveríamos proceder.” 

O próprio Bolton apresentou sua versão dos fatos, o que parece contradizer a do presidente.

"Eu me ofereci para renunciar ontem à noite e o presidente Trump disse: 'Vamos falar sobre isso amanhã'", tuítou Bolton. / NYT, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.