Trump discursa para arena vazia e campanha culpa mídia e manifestantes radicais

Presidente esperava 20 mil pessoas em Tulsa, no Estado de Oklahoma, em evento que marca a retomada de sua campanha, mas comparecimento foi bem abaixo do esperado

NYT, EFE e AFP - TULSA, EUA

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar por R$ 0,99

TULSA, EUA -- O presidente dos EUA, Donald Trump, retomou neste sábado, 20, sua campanha eleitoral com um comício em uma arena em Tulsa, no Estado de Oklahoma, que vem batendo recordes diários de novos casos de coronavírus. O discurso foi recheado de ataques aos democratas e à imprensa. Mas a grande surpresa foi o comparecimento do público, bem abaixo do que se esperava. Tim Murtaugh, porta-voz da campanha, culpou a mídia e manifestantes radicais pela arena meio vazia.

Trump faz discurso em Tulsa, no Estado de Oklahoma (AFP / Win McNamee) Foto:

"Manifestantes radicais, aliados à mídia, tentaram espantar os apoiadores do presidente", disse Murtaugh. Trump também tentou justificar a ausência de pessoas no início do discurso.  "Vocês são heróis", disse o presidente. "Tem um monte de gente ruim lá fora."

No decorrer da fala, a maior parte dela feita de improviso, ele voltou aos velhos temas de campanha, fez elogios ao governo, que cortou impostos, e tentou passar uma imagem de defensor da lei e da ordem, no momento em que o país vive uma onda de protestos contra a violência racial. 

Em Tulsa, poucos apoiadores de Trump usavam máscaras (Leah Millis / Reuters)  Foto:

A maior parte do tempo, Trump gastou para atacar Biden, retratado como refém da ala radical do Partido Democrata. "Vocês acham realmente que ele (Biden) é capaz de controlar esses loucos radicais? Ele é uma marionete da esquerda radical", disse Trump. "Se os democratas ganharem em novembro, este país vai virar um caos."

Cadeiras vazias em discurso de Trump em Tulsa (Doug Mills / The New York Times) Foto:

Na pandemia, que já deixou mais de 119.000 mortos e 2,2 milhões de infectados nos Estados Unidos, Trump defendeu seu plano de fechar as fronteiras e mostrou ceticismo sobre os testes para saber a magnitude do contágio. Em um dos comentários mais surpreendentes, ele enfatizou que "os testes são uma faca de dois gumes" porque "quando você faz tantos testes, encontrará mais casos". "Então eu disse ao meu povo, pare os testes, por favor", disse o presidente, cujo ato eleitoral anterior havia sido em março. As palavras de Trump vêm quando os casos de contágio confirmados diariamente passam dos 30 mil pelo segundo dia consecutivo nos EUA e quando o foco da pandemia nos Estados Unidos mudou da Costa Leste para os estados do Cinturão do Sol, como Califórnia, Flórida, Texas e Arizona, que representam os quatro quase metade dos novos casos em todo o país.

A data e o local escolhidos por Trump para retomar sua campanha pela reeleição exacerbaram as tensões raciais nos Estados Unidos desde o assassinato do afro-americano George Floyd no final de maio, que gerou uma onda sem precedentes de protestos em todo o mundo. Tulsa foi o local de um dos piores massacres de afro-americanos da história, ocorridos em 1921, quando até 300 negros morreram nas mãos de grupos brancos; Além disso, o comício de Trump foi originalmente agendado para esta sexta-feira, um dia conhecido como "décimo terceiro" que comemora a abolição da escravidão nos EUA, embora tenha sido atrasado mais um dia.

"Somos o partido de Abraham Lincoln e o partido da lei e da ordem", disse Trump, referindo-se ao presidente republicano que promoveu a abolição da escravidão no meio da guerra civil (1861-1865). Nos protestos generalizados, que causaram a demolição de numerosas estátuas e monumentos da Confederação (o lado dos estados do sul e escravos que se rebelaram contra o resto do país, a União), o presidente foi direto ao acusar de "anarquistas e incendiários" aos manifestantes. "Eles querem demolir nossa herança ... Deveríamos ter legislação para que, se alguém quiser queimar a bandeira e pisar nela, seja preso por um ano", enfatizou.

Após o de Oklahoma, Trump voltará à estrada nas próximas semanas com comícios para sua campanha eleitoral na Flórida, Arizona e Carolina do Norte, estados-chave que podem decidir o resultado das eleições em 3 de novembro./ EFE, NYT e AFP

 

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato