Al Drago/The New York Times
Al Drago/The New York Times

Trump ditou declaração de seu filho sobre reunião com advogada russa, diz jornal

De acordo com o 'Washington Post', presidente americano instruiu pessoalmente como Donald Trump Jr. deveria tratar o caso enquanto estava a bordo do Air Force One após participar do encontro do G-20 em Hamburgo, na Alemanha

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2017 | 08h46

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, ditou pessoalmente a seu filho, Donald Trump Jr., a confusa declaração que ele deu sobre o encontro com uma advogada russa - revelado em julho pela imprensa dos EUA - no qual alegava não ter discutido assuntos de campanha, segundo reportagem publicada na segunda-feira pelo jornal Washington Post.

Em sua declaração inicial, Trump Jr. disse que discutiu "principalmente sobre um programa de adoção de crianças russas nos EUA", mas nos dias seguintes foi obrigado a se retratar e admitir que aceitou participar da reunião depois de receber um e-mail prometendo informações comprometedoras sobre Hillary Clinton, adversária de seu pai na corrida à Casa Branca.

Ainda de acordo com o Post, o presidente americano teria ditado a declaração inicial do caso a bordo do Air Force One enquanto viajava de volta para os EUA depois de ter participado, em Hamburgo, das reuniões do G-20.

O jornal cita pessoas relacionadas com as discussões que levaram a essa decisão e afirma que a equipe jurídica do presidente pretendia apresentar a reunião como uma armadilha dos democratas contra Trump Jr. e, portanto, contra o próprio presidente - que na época da reunião era o republicano com mais chances de ser escolhido o candidato do partido na Convenção Nacional Republicana.

"Isto foi... desnecessário", disse um dos conselheiros ouvidos pela reportagem do diário em condição de anonimato. "Agora, as pessoas podem alegar que quem tentou enganar (sobre o verdadeiro encontro) foi o próprio presidente. Alguém pode argumentar que o presidente estava dizendo que não queria divulgar toda a verdade."

O encontro de Trump Jr. com a advogada russa retomou as discussões sobre o suposto conluio entre a equipe de campanha de Trump com Moscou para interferir na eleição favoravelmente ao magnata nova-iorquino.

Há poucas semanas também foram divulgadas informações que além do filho de Trump, seu genro, Jared Kushner, e o então chefe de sua campanha Paul Manafort, também se reuniram com a advogada que afirmava ter informações sobre Hillary.

O ex-diretor do FBI Robert Mueller está investigando como procurador especial a conexão russa com a campanha de Trump. Um comitê no Senado também conduz, de forma independente, outra investigação sobre o mesmo tema. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.