Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Trump divulga carta de Kim pedindo 'ações concretas' para reforçar confiança 

'Uma nota muito amável do presidente Kim da Coreia do Norte, diz o presidente americano no Twitter

O Estado de S.Paulo

12 Julho 2018 | 14h57

WASHINGTON - O líder norte-coreano Kim Jong Un pediu a Donald Trump "ações concretas" para reforçar a confiança mútua, em uma carta do dia 6 de julho que o presidente americano divulgou nesta quinta-feira, 12, em sua conta no Twitter.

Na carta, Kim diz a Trump que está convencido de que os esforços para um "novo futuro" entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos certamente "darão bons frutos", e se mostrou confiante que a cúpula de Cingapura, em que os dois participaram há um mês, tenha sido o início de "um processo significativo".

"Uma nota muito amável do presidente Kim da Coreia do Norte. Estamos realizando um grande avanço", tuitou Trump, junto com uma imagem de uma carta em coreano e sua tradução em inglês. 

Seul 

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, minimizou as especulações de que a Coreia do Norte estaria negando a promessa de desmantelar seu programa nuclear e disse estar otimista sobre um acordo entre os EUA e a Coreia do Norte, informou hoje o seu porta-voz.

"A Coreia do Norte está buscando construir confiança e o fim das relações hostis com os EUA, uma diferença significativa das negociações nucleares passadas", disse o porta-voz de Moon. A Embaixada dos EUA em Seul não comentou as declarações.

A hesitação da Coreia do Norte em afirmar suas promessas de desnuclearização despertou preocupação entre os partidários de Moon, que como primeiro presidente liberal da Coreia do Sul em mais de uma década, liderou uma diplomacia na Península Coreana, buscando uma política norte-coreana baseada no compromisso este ano.

+ Coreia do Norte diz que desnuclearização pode fracassar após conversas com EUA

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse que as negociações com Pyongyang na semana passada resultaram em progresso. Mas a Coreia do Norte contradisse seu relato, acusando os EUA de empregar táticas "semelhantes a gângsteres", exigindo a desnuclearização unilateral nas negociações em Pyongyang. Kim também recusou-se a se encontrar com Pompeo em um aparente sinal de descontentamento pelas exigências dos EUA.

Cheong Seong-chang, pesquisador do Sejong Institute, observa que a Coreia do Norte deve mostrar claramente sua determinação de desnuclearização. "Se a Coreia do Norte continuar evitando discussões sobre a definição de um roteiro específico para sua desnuclearização, a comunidade internacional não pode deixar de questionar a intenção da Coreia do Norte", afirmou. / AFP, EFE e Dow Jones Newswires

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.