Peter Foley/EFE/EPA
Peter Foley/EFE/EPA

Trump diz aos eleitores americanos que Biden seria seu 'pior pesadelo'

Em comício no Estado da Pensilvânia, presidente americano atacou candidato democrata e prometeu 'muita polícia, lei e ordem'

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2020 | 20h50

OLD FORGE, EUA - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou nesta quinta-feira, 20, que se seu adversário nas eleições presidenciais de novembro, o democrata Joe Biden, for eleito, seria o "pior pesadelo" para os americanos. 

"Ele passou meio século em Washington vendendo nosso país, destruindo o emprego e deixando que outros países roubassem nossas vagas de trabalho", afirmou Trump durante um comício em Old Forge, na Pensilvânia, muito próximo do local onde Biden nasceu.

Trump falou horas antes de Biden discursar na convenção democrata para aceitar a nomeação do seu partido como candidato à Casa Branca.  

O candidato republicano quis amedrontar os participantes, dizendo-lhes que se queriam imaginar como seria um governo com Biden no poder que se lembrassem "das ruínas em chamas em Minneapolis, a anarquia em Portland e as calçadas com sangue em Chicago", uma referência aos violentos protestos dos últimos meses contra o racismo e a violência policial no país. 

"A sobrevivência do nosso país está em jogo", disse o presidente, que acusou os democratas de terem "enlouquecido" e prometeu "muita polícia, lei e ordem". "(Os democratas) vão tomar a nossa economia com o socialismo", acrescentou o mandatário, afirmando que, caso vençam, os democratas "abrirão as fronteiras", "abolirão a polícia", "aumentarão o número de refugiados no país" e "realizarão o maior aumento de impostos da história".

Como parte da estratégia para ser reeleito em novembro, o atual presidente busca alarmar o eleitor ao mencionar que uma vitória democrata resultará em aumento dos impostos, menos liberdade religiosa e uma ameaça ao porte de armas.

"Se Biden for eleito, a nossa segurança acabará. Cartéis de drogas e imigrantes ilegais virão de Honduras, Guatemala e El Salvador", disse Trump, que se comprometeu a construir centenas de quilômetros de muro na fronteira com o México, apesar de lembrar que tem uma boa relação com o presidente mexicano, Andrés Manuel Lopez Obrador. /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.