AP Photo/Ahn Young-joon
AP Photo/Ahn Young-joon

Trump diz que Coreia do Norte entregou restos mortais de 200 soldados americanos

Presidente não deu detalhes sobre a entrega e não informou se eles já estão em solo americano; corpos são de combatentes dos EUA que morreram durante a Guerra da Coreia

O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2018 | 06h52

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na quarta-feira, 21, que a Coreia do Norte já entregou os restos mortais de 200 combatentes americanos da Guerra da Coreia (1950-1953).

+ Para a China, Trump continua a ser uma dádiva

+ Após cúpula com Trump, Kim Jong-un vai à China

"Recuperamos nossos heróis caídos. De fato, hoje já devolveram 200", afirmou o republicano durante um grande comício em Minnesota.

+ De pária a estadista, a tática de Kim

+ The Economist: Kim Jong-un

O presidente americano não deu mais detalhes sobre a entrega e não esclareceu se os restos mortais desses combatentes já estão em solo americano.

A devolução dos soldados americanos mortos no conflito foi um dos pedidos que Washington fez a Pyongyang durante as negociações com o país asiático na histórica cúpula entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, cujo principal objetivo era a desnuclearização da Península Coreana.

Trump já havia antecipado na semana passada em entrevista à emissora Fox News que os trâmites para a devolução dos restos mortais desses combatentes já haviam sido iniciados.

Mais de 36 mil militares americanos morreram na Guerra da Coreia e cerca de 7,7 mil desapareceram, dos quais 5,3 mil provavelmente ao norte do paralelo 38.

Equipes conjuntas dos EUA e da Coreia do Norte recuperaram 229 corpos entre 1996 e 2005, mas Washington suspendeu o programa de busca em razão da deterioração das relações entre os dois países. Em 2007, Pyongyang entregou outros seis corpos.

Fontes do Pentágono explicaram nesta semana que, após chegarem aos EUA, os restos mortais serão transferidos a instalações militares em Nebraska e no Havaí para serem identificados. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.