Nicholas Kamm/AFP
Nicholas Kamm/AFP

Trump diz que EUA estão prontos para responder a ataque contra Arábia Saudita

O presidente dos Estados Unidos disse que espera notícias do reino saudita para decidir ações

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2019 | 02h44

O presidente dos Estados UnidosDonald Trump, usou o Twitter para se pronunciar sobre o ataque de rebeldes houthi, do Iêmen, contra duas refinarias da principal companhia petrolífera do mundo, a estatal saudita Saudi Aramco, e disse que espera um posicionamento de Riad para decidir como reagir.

"O fornecimento de petróleo da Arábia Saudita foi atacado. Há razões para acreditar que sabemos o culpado, estamos carregados e prontos. A depender de verificação, estamos esperando notícias do Reino (da Arábia Saudita) sobre quem eles acreditam que causou esse ataque e sob quais termos poderíamos proceder!", escreveu Trump.

No tweet, Trump usou a locução "locked and loaded", que em português significa "carregado e pronto (para atirar)". O termo é usado em âmbito militar pra dizer que uma arma está carregada.

A resposta é a mais dura do chefe de governo dos EUA sobre o ocorrido no sábado na Arábia Saudita, onde duas refinarias da Aramco foram alvos do bombardeio de dez drones, causando a redução da produção saudita em quase 50%. No entanto, em momento algum, Trump explicitou quem acredita ser o responsável pelos ataques.

A ofensiva foi reivindicada pelos houthis iemenitas, grupo apoiado pelo Irã, que no sábado, 14,  foi apontado como responsável pelo bombardeio pelo secretário de estado americano, Mike Pompeo. Ele afirmou não haver evidências de que os drones saíram do Iêmen.

Trump ainda não descartou a possibilidade de uma reunião com o presidente iraniano, Hassan Rohani, que poderia ser realizada durante Assembleia Geral das Nações Unidas, no fim deste mês, em Nova York. Contudo, negou que o encontro possa acontecer sem pré-condições, como vinha sendo divulgado pela imprensa.

"As Fake News estão dizendo que eu estou disposto a me reunir com o Irã 'sem condições'. Essa é uma afirmação incorreta (como de costume!)", tuitou.

O presidente dos EUA usou a rede social, em que tem 63 milhões de seguidores, para acalmar os mercados. Neste domingo, 15, o barril de petróleo Brent foi negociado a US$ 70,98 por barril nos mercados de futuro de Nova York, um aumento de 18% em comparação ao fechamento de sexta-feira. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.