MANDEL NGAN / AFP
MANDEL NGAN / AFP

Trump diz que Google manipula buscas para falar mal dele

Presidente dos EUA acusa gigante de tecnologia de censurar vozes conservadoras, só dar espaço para notícias da 'Mídia Nacional de Esquerda' e diz que pode avalia possíveis ações; empresa diz que 'não ajusta resultados para qualquer ideologia política'

O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2018 | 09h42
Atualizado 28 Agosto 2018 | 14h47

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira,28, que os resultados do Google são "manipulados" porque quem pesquisa sobre ele só encontra resultados negativos. Ele também questionou se esse tipo de procedimento não seria ilegal.

Trump tem atacando gigantes da mídia social dos EUA nos últimos dias por supostamente censurar vozes conservadoras, uma alegação amplamente aceita por seus seguidores apesar da falta fundamentos.

"Os resultados de pesquisa no Google para 'Trump Notícias' mostram apenas a exibição/divulgação de uma Mídia de Fake News", afirmou presidente no Twitter.

"Em outras palavras, eles MANIPULAM, sobre mim e sobre outros, de modo que quase todas as histórias e notícias são RUINS. A fake CNN é proeminente nisso. A Mídia Justa republicana/conservadora está excluída. Ilegal?"

De acordo com Trump, "96% dos resultados da 'Trump Notícias' são da Mídia Nacional de Esquerda", que ele descreve como algo "muito perigoso".

"O Google e outros estão suprimindo as vozes de conservadoras e escondendo informações e notícias que são boas. Eles estão controlando o que podemos e não podemos ver. Essa é uma situação muito séria - será abordada!"

Outro lado

Após as acusações de Trump, o Google negou que seus motores de busca sejam alterados para "manipular as opiniões políticas" dos seus usuários.

"Quando os usuários digitam consultas na barra de busca do Google, nosso objetivo é garantir que eles recebam as respostas mais relevantes em questão de segundos", afirmou a empresa em comunicado. "A Busca não é usada para definir uma agenda política e não ajustamos nossos resultados para qualquer ideologia política."

O Google, com sede em Mountain View, na Califórnia, ressaltou que "todos os anos publica centenas de melhorias em seus algoritmos para garantir que exibam conteúdo de alta qualidade em resposta às solicitações dos usuários".

Desconfiança nos EUA

Uma pesquisa do Pew Research Center divulgada em junho mostrou que 43% dos americanos acreditam que as principais empresas de tecnologia apoiam as opiniões dos liberais sobre os conservadores e 72% aceitam a ideia de que as plataformas de mídia social censuram ativamente visões políticas opostas.

Entre os republicanos e os independentes republicanos, 85% disseram achar que os sites de mídia social intencionalmente censuram pontos de vista políticos, revela a pesquisa.

No entanto, vários estudos sugerem que os conservadores estão prosperando nas mídias sociais. Twitter e Facebook negaram qualquer tipo de censura no policiamento de suas plataformas. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.