Jabin Botsford / Washington Post
Jabin Botsford / Washington Post

Trump diz que investigação sobre Ucrânia é ‘tão corrupta e falsa quanto as anteriores’

O presidente é acusado de ter pressionado o mandatário da Ucrânia a investigar o filho de Joe Biden, pré-candidato democrata às eleições de 2020

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2019 | 10h23

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou neste sábado, 26, que a investigação sobre a relação dele com a Ucrânia é "tão corrupta e falsa" quanto as anteriores. "A investigação sobre a Ucrânia é tão corrupta e falsa quanto todos os outros lixos que vierem antes", escreveu Trump em sua conta oficial no Twitter.

O presidente americano é acusado de ter pressionado o mandatário da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, a investigar o filho de Joe Biden, ex-vice-presidente e pré-candidato democrata às eleições presidenciais de 2020, o que resultou na abertura de um inquérito de impeachment contra Trump na Câmara dos Representantes.

Na sexta-feira, 25, a juíza distrital Beryl Howell validou o inquérito de impeachment e ordenou que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos entregue à Câmara documentos sobre a investigação do ex-procurador especial Robert Mueller sobre a interferência da Rússia nas eleições americanas de 2016, outra acusação contra Trump.

O relatório final de Mueller sobre a Rússia não encontrou evidências suficientes de conspiração do país com a campanha de Trump em 2016, mas agora os documentos que serão liberados pela decisão da juíza podem revelar detalhes ocultos e se tornarem parte da pressão pelo impeachment.  

No Twitter, Trump também criticou a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi. Segundo o presidente americano, enquanto o distrito de Pelosi, São Francisco, viola muitas ordens sanitárias e ambientais, ela "trabalha apenas pelo impeachment." "Pelosi deveria trabalhar nessa bagunça e transformar o Distrito dela", escreveu Trump. Com informações da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.