Al Drago/The New York Times
Al Drago/The New York Times

Trump diz que local e data de cúpula com Kim foram definidos e serão anunciados em breve

Antes de embarcar para o Texas onde participa de encontro da Associação Nacional do Rifle, presidente americano também prometeu novidade sobre os três cidadãos americanos presos em Pyongyang para os próximos dias

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2018 | 13h01

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira, 4, que o local e a data de sua cúpula com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, foram definidos e serão anunciados em breve.

Kim agora já é confiável para 78% dos sul-coreanos, aponta pesquisa

"Agora temos uma data. E temos um local. Vamos anunciá-los em breve", disse o presidente antes de deixar a Casa Branca para uma visita ao Texas, onde discursará na convenção anual da Associação Nacional do Rifle (NRA, em inglês), o poderoso lobby dar armas no país.

Trump também voltou a se referir aos três cidadãos americanos mantidos presos na Coreia do Norte, sobre os quais prometeu anteriormente novidades nos próximos dias. "Mantemos conversações importantes com a Coreia do Norte. Muitas coisas já aconteceram em relação ao reféns. Acredito que veremos coisas boas", disse o republicano.

Os três americanos presos na Coreia do Norte são Kim Dong-chul, de 64 anos, Kim Sang-duk, de 58 anos, e Kim Hak-song, de aproximadamente 60 anos. Todos nasceram na Coreia do Sul e se naturalizaram americanos depois.

Trump indica que libertação de americanos detidos na Coreia do Norte é iminente

Kim Dong-chul é um empresário que foi preso em outubro de 2015 durante uma viagem à Coreia do Norte e condenado depois a 10 anos de prisão por espionagem. Ele já é o cidadão americano que passou mais tempo preso pelos norte-coreanos.

Os outros dois eram professores da Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang, a única instituição privada de ensino superior do país, que recebe financiamento do exterior. A imprensa estatal norte-coreana atribuiu a eles "atos hostis" contra o regime apesar de nenhum tribunal ter se pronunciado sobre o caso.

Segundo a agência de notícia sul-coreana Yonhap, os três foram levados para um hotel nos arredores de Pyongyang, o que criou a expectativa de que eles sejam libertados em breve. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.