Saul Loeb / AFP
Saul Loeb / AFP

Trump diz que não há razão para ele ouvir as gravações da morte do jornalista saudita

Em entrevista à emissora Fox News, o presidente afirma que foi informado sobre seu conteúdo e ‘sabe tudo o que está nela sem ter que escutá-la’

O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2018 | 06h56

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que não há razão para ele ouvir as gravações da “muito violenta e muito perversa” morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

Em uma entrevista veiculada no domingo, 18, pela Fox News, Trump deixou claro que a gravação, fornecida pelo governo turco, não afetaria sua reação ao assassinato do colunista do jornal The Washington Post, crítico do regime saudita, no dia 2 de outubro. “É uma fita de sofrimento, uma fita terrível. Fui informado sobre ela e não há razão para eu ouvi-la.”

O republicano afirmou que “sabe tudo o que está na gravação sem ter que escutá-la”. No sábado, ele disse que seu governo fornecerá um relatório muito completo, “provavelmente na segunda ou terça-feira”, que incluirá quem matou o jornalista. Não ficou claro se o documento será tornado público.

Agências de inteligência dos EUA concluíram que o príncipe saudita, Mohamed bin Salman, ordenou o assassinato de Khashoggi no consulado da Arábia Saudita na Turquia, de acordo com um funcionário americano com conhecimento no assunto. Ele não tem autorização para falar sobre o caso publicamente e pediu anonimato.

Outras pessoas com conhecimento no caso alegam que é provável que o príncipe esteja envolvido na morte do jornalista, mas que ainda há questões sobre que papel ele teve no crime.

Durante a entrevista, Trump destacou que Bin Salman negou repetidamente seu envolvimento no assassinato de Khashoggi. “Alguém algum dia vai realmente saber?”, questionou ele. “Ao mesmo tempo, temos um aliado e quero estar próximo a um aliado que tem sido muito bom de várias formas.” / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.