Reprodução
Reprodução

Trump diz que não vai à posse de Biden; conheça outros casos nos EUA 

De acordo com a White House Historical Association, outros três ex-presidentes não compareceram às cerimônias para 'passar a faixa' 

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2021 | 07h00

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na sexta-feira, 8, que não comparecerá à posse de seu sucessor, Joe Biden. De acordo com a White House Historical Association, outros três ex-presidentes não compareceram às cerimônias para 'passar a faixa'. 

John Adams - 1801 

Em 1800, John Adams tentou a reeleição contra o seu vice, Thomas Jefferson. A defesa de leis que limitavam estrangeiros no país recém-criado e a liberdade de imprensa prejudicaram a imagem de Adams. A eleição terminou empatada e foi parar na Câmara, que decidiu por Jefferson. Adams saiu da capital na madrugada do dia da posse, segundo historiadores, “para evitar atos violentos”. 

John Quincy Adams - 1829

Assim como o pai John Adams, o presidente John Quincy Adams não foi à posse do seu sucessor. Andrew Jackson chegou a Washington em 11 de fevereiro de 1829, mas eles não se encontraram. Quincy Adams foi derrotado quando tentava a reeleição por um rival que já havia sido um grande aliado. Adams deixou a Casa Branca em 3 de março, ao se mudar para uma mansão em Meridian Hill, um dia antes da posse de Jackson, relata a Associação Histórica da Casa Branca. 

Andrew Johnson - 1869

No momento da posse de Ulysses S. Grant, o então presidente Andrew Johnson estava em uma reunião de gabinete – uma forma de explicitar sua contrariedade com o sucessor. Os dois tinham até uma boa relação, pois Grant ocupou o cargo de secretário de Guerra de Johnson, que assumiu a cadeira depois do assassinato de Abraham Lincoln, de quem era vice. A boa relação de Johnson e Grant azedou por causa de discordâncias sobre a reconstrução do país depois da Guerra Civil. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.