AFP PHOTO / MANDEL NGAN
AFP PHOTO / MANDEL NGAN

Trump diz que nunca falou sobre dar armas a professores, mas apenas aos que forem treinados

Presidente ressaltou ainda que a medida ‘resolveria o problema instantaneamente, antes de a polícia chegar’, já que os educadores poderiam 'contra-atacar se um selvagem doente entrar em um colégio com más intenções'

O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2018 | 11h20

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, disse no Twitter nesta quinta-feira, 22, que nunca falou sobre “dar armas aos professores”, mas sim que esse recurso seria limitado apenas aos profissionais que tenham recebido treinamento militar ou especial.

+ Jovem sobreviveu ao massacre na Flórida escondendo-se em armário, igual avô fez 70 anos antes

+ Estudantes marcham para pressionar políticos americanos a aprovar leis que restrinjam venda de armas

Ele também ressaltou que a medida “resolveria o problema instantaneamente”, já que os educadores poderiam "contra-atacar se um selvagem doente entrar em um colégio com más intenções". "Os ataques acabariam!" As afirmações foram feitas pouco mais de uma semana após o jovem Nikolas Cruz matar 17 pessoas em uma escola da Flórida.

+ Trump quer proibir dispositivo que torna armas mais letais

+ Robôs russos fizeram campanha virtual sobre armas após massacre na Flórida

Na quarta-feira, Trump sugeriu armar e treinar professores e funcionários de colégios durante uma reunião na Casa Branca com estudantes e parentes das vítimas do ataque. O republicano afirmou na rede social que apenas 20% dos educadores são treinados.

“Professores altamente treinados e adeptos às armas resolveriam o problema instantaneamente, antes de a polícia chegar. Grande poder de dissuasão”, escreveu o líder americano.

Trump disse ainda que quer ver ações direcionadas ao controle de armas, acrescentando que “o Congresso está em um momento no qual finalmente fará algo sobre esse assunto - espero”.

“Vou pressionar fortemente para verificações completas de antecedentes com ênfase em saúde mental. Aumentar idade para 21 e acabar com a venda de bump stocks”, acessório que transforma um fuzil semiautomático em metralhadora. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.