EFE/JORGE NUÑEZ
EFE/JORGE NUÑEZ

Trump diz que renegociará Nafta com líderes do México e do Canadá

Em um ato na Casa Branca onde vários altos funcionários nomeados pelo presidente juraram seus cargos, ele confirmou a intenção de iniciar os diálogos

O Estado de S. Paulo

22 Janeiro 2017 | 19h09

WASHINGTON - O novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou neste domingo, 22, que renegociará com os líderes do México e do Canadá o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta), assinado pelos três países há pouco mais de duas décadas. Essa foi uma das promessas de Trump durante a campanha eleitoral.

Em um ato na Casa Branca onde vários altos funcionários nomeados por Trump juraram seus cargos, o presidente confirmou a intenção de renegociar o Nafta com o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, com quem se encontrará no dia 31, e com o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, com quem também se reunirá em breve.

O Nafta foi assinado em 1994 pelos presidentes do Canadá, do México e dos Estados Unidos à época, e Trump culpa o acordo pela perda de empregos e pelo fechamento de empresas que se deslocam aos países vizinhos para baratear custos.

"Vamos começar as negociações que têm a ver com o Nafta", disse Trump sobre sua próxima reunião com Peña Nieto, com quem também falará de "imigração" e de "segurança na fronteira".

Ontem, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, adiantou que Peña Nieto, a quem intitulou erroneamente de "primeiro-ministro", visitará a Casa Branca no próximo dia 31. Nessa visita, os dois líderes debaterão "comércio, imigração e segurança".

Algum tempo depois, a presidência do México informou em comunicado que os dois conversaram por telefone e o presidente mexicano expressou a vontade de "trabalhar em uma agenda que beneficie a ambos os países".

Spicer confirmou que Trump falou ontem por telefone com Trudeau. Os dois tiveram uma conversa "construtiva" e acertaram marcar um encontro durante os próximos dias. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Estados UnidosDonald TrumpNafta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.