Mark Makela/The New York Times
Mark Makela/The New York Times

Trump diz que reportagem sobre perdas bilionárias é 'fake news'

No Twitter, presidente americano alega que investigação do 'New York Times' com base em transcrições oficiais de suas declarações à Receita Federal americana de 1985 a 1994 é 'muito antiga e muito inexata'

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2019 | 10h27

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chamou nesta quarta-feira, 8, de Fake News a reportagem publicada na véspera pelo New York Times que diz que ele acumuou mais de US$ 1,1 bilhão de perdas entre 1985 e 1994 - o que teria evitado que ele pagasse imposto em 8 de 10 anos.

"A informação, muito antiga e muito inexata, é um trabalho de Fake News", escreveu o presidente americano em sua conta no Twitter depois da publicação, elaborada com base em transcrições oficiais das declarações de Trump à Receita Federal americana obtidas pelo NYT.

Segundo a investigação do jornal, o Estado financeiro do magnata do ramo imobiliário era catastrófico nesse momento retratado pelos documentos. 

Em sua resposta, Trump disse que durante os anos 80 e 90 os promotores imobiliários recorriam à prática de depreciar seus ativos tanto quanto fosse possível para mostrar perdas e não pagar impostos. "Era uma prática comum", alegou o presidente.

As informações foram publicadas pelo diário nova-iorquino poucos dias depois de o Tesouro dos Estados Unidos negar aos legisladores democratas acesso às mais recentes declarações de impostos do presidente americano.

Desde a campanha presidencial de 2016, jornalistas do NYT e de outros veículos tentam reunir as peças das complexas e ocultas finanças de Trump. Ainda que não tenha tido acesso às declarações atuais de imposto de renda do presidente, o jornal diz ter recebido informações de uma fonte com acesso legal a elas.  / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.