Korean Central News Agency/Korea News Service via AP
Korean Central News Agency/Korea News Service via AP

Trump diz que reunião com líder norte-coreano ocorrerá após eleições de novembro

Presidente americano havia afirmado mais cedo que as negociações para sua próxima cúpula estavam avançadas e os possíveis locais para o encontro se reduziram a entre 'três e quatro'

O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2018 | 22h02

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira, 9, que sua segunda reunião de cúpula com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, será realizada após as eleições parlamentares americanas de 6 de novembro.

Falando aos repórteres enquanto viajava para Iowa para um comício, Trump disse: “Vai ser depois da eleição de meio de mandato. Eu não posso sair agora”.

Trump havia afirmado mais cedo que as negociações para sua próxima cúpula estavam avançadas e os possíveis locais para o encontro se reduziram a entre "três e quatro".

Segundo o presidente, a nova reunião com Kim "provavelmente" não será em Cingapura, onde foi realizada a primeira cúpula histórica em junho para discutir um programa de desnuclearização para o país asiático e pôr fim às hostilidades entre Washington e Pyongyang.

Em relação à data, Trump disse que o encontro "não está longe". E acrescentou mais tarde em declarações a jornalistas na Casa Branca que poderia ser celebrado depois das eleições de metade de mandato em 6 de novembro.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, se encontrou com Kim em Pyongyang na segunda-feira para afinar os detalhes da próxima reunião.

"Voltei ontem à noite da Coreia do Norte de uma viagem em que progresso real foi feito. Embora ainda haja um longo caminho a percorrer e muito trabalho a ser feito, agora podemos ver uma maneira de alcançar o objetivo, que é a verificação da desnuclearização completa e final da Coreia do Norte", disse Pompeo a repórteres na Casa Branca.

"Em breve poderemos falar sobre quando o presidente se encontrará com ele, no que será a segunda cúpula" entre Trump e o líder norte-coreano, acrescentou.

"Acho que fizemos um progresso incrível", disse Trump nesta terça, referindo-se ao fato de que este ano não houve testes de mísseis ou nucleares, além da repatriação dos restos mortais dos americanos mortos na Guerra da Coreia.

"Não houve testes nucleares nem mísseis, e temos um relacionamento muito bom com o presidente Kim, o que é muito importante", assegurou o presidente americano. "Ele gosta de mim, eu gosto dele, o relacionamento é bom", repetiu. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.