EFE/ Michael Reynolds
EFE/ Michael Reynolds

Trump diz que tem plano 'B, C e D' para a Venezuela se Maduro não sair

Antes de reunião com o presidente da Colômbia, Iván Duque, americano falou novamente que 'todas as opções estão sobre a mesa' e que Maduro comete 'erro terrível' ao proibir entrada de ajuda humanitária

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 17h14

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira, 12, que “todas as opções estão sobre a mesa” na crise da Venezuela. Em declarações a jornalistas na Casa Branca ao lado do presidente colombiano, Iván Duque, Trump reafirmou o apoio a Juan Guaidó, líder oposicionista que afirma ser o presidente legítimo do país, em desafio ao governo de Nicolás Maduro.

“É preciso que tentemos levar alimentos e medicamentos à Venezuela”, disse Trump, afirmando que os EUA já se comprometeram com o envio de quantidades substanciais de ajuda, diante da grave crise venezuelana. “Temos um plano B, C e D para a Venezuela”, disse Trump, sobre o caso de Nicolás Maduro não abandonar o poder.

Guaidó trabalha para garantir a distribuição do auxílio, enquanto Maduro recusa a oferta e diz que ela se trata de um “cavalo de Troia” para preparar uma intervenção internacional.

Para Entender

Venezuelanos vão às ruas contra o governo de Nicolás Maduro; entenda os motivos da manifestação antichavista

Protestos foram convocados pela oposição e receberam apoio dos Estados Unidos.

Duque disse que a obstrução de ajuda humanitária “é crime contra a humanidade” e reafirmou o compromisso de seu governo de ceder o território venezuelano para as operações de ajuda ao vizinho. O presidente colombiano também ressaltou seu apoio a Guaidó, comentando que ele “tem tido grande apoio para liderar a transição na Venezuela”.

Donald Trump também afirmou que o Maduro "comete um erro terrível" ao bloquear a ajuda humanitária dos Estados Unidos para seu país.  Trump disse que é "triste" que o país latino-americano, rico em petróleo, esteja vivendo uma crise e que Washington ainda não descartou o envio de tropas para a região. “Nós estudamos todas as opções”, disse ele./ AFP, AP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.