Jim Lo Scalzo/EFE
Jim Lo Scalzo/EFE

Trump diz que vai rever acordo sobre refugiados com Austrália

Declaração do republicano foi feita após imprensa dos EUA divulgar que conversa com premiê australiano foi tensa

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2017 | 04h57

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, criticou em sua conta no Twitter na noite de quarta-feira um acordo firmado com a Austrália pelo governo Barack Obama para receber refugiados.

"Acredita nisso? A administração Obama concordou em receber milhares de imigrantes ilegais da Austrália. Por quê? Vou rever este negócio idiota!", escreveu o americano.

Pelo acordo, a gestão Obama havia concordado em reassentar 1.250 postulantes a asilo, muitos dos 7 países muçulmanos para os quais Trump suspendeu vistos, abrigados nos centros de processamento da Austrália. O pacto teria causado um mal-estar entre Trump e o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull.

Trump também acusou a Austrália de querer exportar "o próximo terrorista de Boston", em referência aos terroristas que em 2013 realizaram um atentado durante uma maratona na cidade, ao tentar enviar os refugiados que estão em centros de detenção da Austrália.

Segundo reportagens do jornal The Washington Post, que cita fontes do governo americano sob condição de anonimato, Trump disse a Turnbull que o acordo para receber refugiados da Austrália era "o pior acordo da história" e se queixou que, se o cumprisse, iria "matar" politicamente os EUA.

A matéria revela ainda que a ligação entre os líderes, inicialmente prevista para durar uma hora, terminou após 25 minutos. Trump teria dito a auxiliares que esta foi "de longe" a pior conversa telefônica das cinco já realizadas.

A assessoria de imprensa da Casa Branca não quis comentar o ocorrido. Ao Washington Post, Turnbull desconversou e afirmou que "é melhor que estas coisas, que estas conversas, sejam francas e privadas".

Muitos dos 1.250 refugiados são provenientes dos sete países de maioria muçulmana, para os quais Trump suspendeu a concessão de vistos na sexta-feira. De acordo com as fontes do Washington Post, o presidente americano teria se comportado de maneira semelhante em conversas com outros líderes, como o mexicano Enrique Peña Nieto.

Turnbull se negou nesta quinta-feira, 2, a comentar sua conversa telefônica com Trump. "Não vou comentar sobre informações de uma conversa", disse ele à imprensa. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.