Win McNamee/ AFP
Win McNamee/ AFP

Trump é investigado por obstruir a Justiça e alega perseguição

Democratas na Câmara dos Deputados também investigam presidente dos EUA por corrupção e abuso de poder

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2019 | 21h20

WASHINGTON - A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos abriu formalmente nesta segunda-feira, 4, uma “extensa investigação sobre possíveis tentativas de obstrução da Justiça” por parte do presidente americano, Donald Trump, afirmou Jerrold Nadler, democrata de Nova York e presidente da comissão judiciária responsável pelo inquérito. Trump chamou o processo de “farsa” e “perseguição”, mas disse que vai cooperar.

O presidente e seu governo serão investigados por obstrução da Justiça, corrupção e abuso de poder, em um processo que pode formar a base para um eventual pedido de impeachment do republicano. 

Os deputados da comissão pretendem avaliar documentos e informações sobre decisões de Trump que teriam sido tentativas de impedir investigações sobre ele, como a demissão de James Comey da direção do FBI e a renúncia de Michael Flynn como conselheiro de Segurança Nacional, entre outras. 

Segundo Nadler, foram enviados pedidos de informação a 81 pessoas e organizações associadas direta ou indiretamente a Donald Trump, incluindo dois filhos do presidente, o seu genro, Jared Kushner, a Organização Trump, a Fundação Trump, a campanha eleitoral do presidente, o comitê de posse, a Casa Branca, o advogado pessoal do presidente, Jay Sekulow, e ex-responsáveis da Casa Branca como Steve Bannon, Sean Spicer e Hope Hicks; além do fundador do WikiLeaks, Julian Assange.

A comissão vai investigar acusações de corrupção, incluindo possíveis violações de leis de financiamento de campanha, a proibição constitucional de receber remuneração estrangeira e o uso do cargo para ganhos pessoais.

Ainda nesta segunda-feira, líderes democratas pediram à Casa Branca detalhes das comunicações entre o presidente Trump e seu homólogo russo, Vladimir Putin, depois que relatos da imprensa asseguraram que tal informação pode ter sido destruída ou ocultada.

A Casa Branca confirmou ter recebido os pedidos de documentos relacionados ao governo Trump, à família do presidente e a seus negócios. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, afirmou que o pedido será analisado e respondido no tempo apropriado. 

Em sua conta no Twitter, Trump reagiu e criticou o que chamou de “mais de dois anos de assédio presidencial.” 

“Eu sou um homem inocente, perseguido por pessoas muito ruins, perturbadas e corruptas em uma caça às bruxas que é ilegal”, escreveu. “E só porque eu venci a eleição!”

Os republicanos acusam os democratas de tentar provocar o impeachment de Trump. Os democratas garantem que não farão nada até o resultado da investigação. Mesmo que a Câmara decida pela remoção do presidente, o Senado, controlado pelos republicanos, dificilmente concordaria com a medida./ NYT e W.POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.