Samuel Corum/EFE
Samuel Corum/EFE

Trump e Melania foram vacinados em janeiro antes de deixarem Casa Branca

Ao contrário de seu sucessor, Joe Biden, que foi vacinado diante das câmeras de televisão em 21 de dezembro, o republicano nunca revelou ter sido vacinado

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2021 | 23h29

WASHINGTON - O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump e sua mulher, Melania Trump, foram discretamente vacinados contra a covid-19 em janeiro, antes de deixarem a Casa Branca, revelou a imprensa local nesta segunda-feira, 1°.

Ao contrário de seu sucessor, Joe Biden, que foi vacinado diante das câmeras de televisão em 21 de dezembro, Trump nunca revelou ter sido vacinado.

Não está claro se Trump, que durante meses se recusou a usar uma máscara em público para se proteger da doença, e a ex-primeira-dama receberem a primeira ou ambas as doses do imunizante. Também não foi divulgado se eles foram inoculados com a vacina da Moderna ou a da Pfizer.

Um assessor do ex-presidente consultado pelo jornal The New York Times confirmou que o ex-chefe de Estado recebeu a imunização em janeiro, em caráter privado.

No domingo, Trump declarou em um discurso na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) que todo mundo deve tomar a injeção, em seu primeiro discurso público desde o final do mandato, em 20 de janeiro. 

O comentário gerou um certo alívio social, já que muitos de seus apoiadores são céticos em relação às vacinas.

No fim de setembro, Trump foi infectado pelo coronavírus, juntamente com a mulher, e teve de ser internado por três dias em um centro de saúde na capital, Washington, do qual foi liberado após ser administrado o coquetel experimental de anticorpos da empresa farmacêutica Regeneron e o antiviral Remdesivir.

Em meados de dezembro, um funcionário do governo havia afirmado que Trump não receberia a vacina até que fosse recomendada pela equipe médica da Casa Branca. /EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.