AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Trump e Putin se reúnem e EUA e Rússia acertam cessar-fogo no sudoeste da Síria

Depois de meses de espera, presidentes de Estados Unidos e Rússia conversam nesta sexta-feira, em Hamburgo, por mais de duas horas sobre temas complexos, como a o conflito sírio e o papel da Rússia na questão ucraniana

O Estado de S.Paulo

07 Julho 2017 | 11h28
Atualizado 07 Julho 2017 | 13h58

HAMBURGO, ALEMANHA - Os Estados Unidos, a Rússia e países árabes que participam do confronto na Síria chegaram a um acordo nesta sexta-feira, 7, para um cessar-fogo no sudoeste do país. Os detalhes devem ser divulgados ainda hoje pelo secretário de Estado americano, Rex Tillerson.

Moscou e Washington apoiam diferentes facções na guerra civil, com os russos ao lado do regime de Bashar Assad e os americanos com grupos sunitas que tentam derrubar o líder sírio. Ambos, no entanto, participam da ofensiva contra o Estado Islâmico, que está prestes a perder o controle de Raqqa, sua capital na Síria, para milícias curdas e árabes apoiadas pelos EUA. 

Encontro. O acordo foi divulgado em meio à reunião do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com o russo, Vladimir Putin, nesta sexta-feira, 7, à margem da cúpula do G-20 em Hamburgo, na Alemanha. Mais cedo, os dois se cumprimentaram rapidamente ao chegarem ao centro de convenções onde a cúpula é realizada.

O presidente americano antecipou "muitas coisas positivas para a Rússia e para os EUA" e disse que as conversas iniciais com o colega sobre "várias coisas estão transcorrendo muito bem". "É uma honra reunir-me com você", disse Trump a Putin.

O líder russo retribuiu o tratamento do americano e afirmou estar "encantando por encontrá-lo" e feliz de se reunir pessoalmente com Trump. "Espero que nosso encontro traga resultados", afirmou Putin.

A reunião entre os líderes, prevista para 10h45 (horário de Brasília) desta sexta-feira atrasou cerca de meia hora. Ambos conversaram por 2h16 sobre temas complexos, como o conflito sírio e o papel da Rússia na questão ucraniana. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.