AFP PHOTO / SAUL LOEB AND Ed JONES
AFP PHOTO / SAUL LOEB AND Ed JONES

Trump elogia líder norte-coreano por adiar decisão de atacar Guam

Mensagem do presidente americano não menciona Kim Jong-un, mas foi publicada no Twitter um dia após a divulgação de declarações dele nas quais opta por frear seus planos de ataque para ‘observar um pouco mais’ as ações dos EUA

O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2017 | 12h48

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, elogiou o líder norte-coreano, Kim Jong-un, nesta quarta-feira, 16, por adiar a decisão de atacar o território americano de Guam, freando a escalada nas tensões entre os dois países.

"Kim Jong-un da Coreia do Norte tomou uma decisão muito sábia e bem fundamentada", escreveu Trump em sua conta no Twitter. "A alternativa teria sido catastrófica e inaceitável."

Apesar de não ter mencionado especificamente Guam, a mensagem de Trump foi publicada um dia depois da divulgação de algumas declarações nas quais Kim opta por estacionar os planos de atacar a ilha localizada no Oceano Pacífico para "observar um pouco mais" as ações dos EUA.

O líder norte-coreano não descartou definitivamente a possibilidade de atacar Guam e advertiu que tomará uma "importante" decisão se Washington insistir em fazer suas "imprudentes e extremamente perigosas ações".

As palavras atribuídas a Kim pareciam apontar para os exercícios militares Ulchi Freedom Guardian, que tropas sul-coreanas e americanas querem começar na segunda-feira e as quais o regime norte-coreano considera uma provocação.

O Pentágono garantiu na terça-feira que os exercícios anuais seguirão como o planejado, e a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, enfatizou que "não há equivalência possível" entre os testes nucleares e de mísseis de Pyongyang e a "atividade legal" das tropas de Washington e Seul.

As palavras de Trump contrastam com o tom adotado para falar da Coreia do Norte na semana passada, quando o regime norte-coreano ameaçou fazer um ataque em resposta às sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU.

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, assegurou que o governo dos EUA segue "interessado em encontrar uma forma de chegar a um diálogo (com a Coreia do Norte), mas isso é algo que depende dele", em referência a Kim Jong-un.

Exercícios militares

Caças japoneses realizaram manobras aéreas com bombardeiros americanos a sudoeste da Península Coreana nesta quarta-feira.

O exercício dos EUA e do Japão no Mar do Sul da China envolveu dois bombardeiros B-1B Lancer da Força Aérea americana que decolaram da Base de Andersen, em Guam, e dois caças japoneses F-15, informou a Força de Autodefesa Aérea do Japão em um boletim à imprensa.

"Estes voos de treinamento com o Japão demonstram a solidariedade e a determinação que compartilhamos com nossos aliados para preservar a paz e a segurança na (região) Indo-Ásia-Pacífico", disse a Força Aérea dos EUA em um comunicado.

Os aviões americanos, projetados para transportar bombas nucleares e, posteriormente, convertidos para armamentos convencionais, realizaram vários voos no leste asiático nas últimas semanas. Além dos exercícios aéreos com caças do Japão, os bombardeiros também ensaiaram manobras com aeronaves sul-coreanas. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.