AP Photo/Nasser Nasser
AP Photo/Nasser Nasser

Trump encontra Abbas e diz que palestinos e israelenses estão prontos para negociar paz

Presidente não apresentou detalhes de como as conversas se realizarão e reconheceu estar diante de uma tarefa desafiadora

Cláudia Trevisan, Correspondente / Washington, O Estado de S.Paulo

23 Maio 2017 | 13h00

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, disse nesta terça-feira,23, que os líderes palestinos e de Israel estão "prontos" para negociar um acordo de paz, mas não apresentou detalhes de como as conversas se realizarão e reconheceu estar diante de uma tarefa desafiadora. 

"Obter a paz, no entanto, não será fácil. Todos nós sabemos isso. Ambos os lados enfrentarão decisões duras", declarou em Jerusalém ao lado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Poucas horas antes,Trump havia sido recebido na Cisjordânia pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que se referiu a ele como "querido amigo".

Vários ocupantes da Casa Branca promoveram negociações de paz, sem sucesso, e as conversas foram abandonadas em 2014. Usando suas supostas credenciais de bom negociador, Trump se apresentou como um mediador capaz de aproximar os dois lados. "O presidente Abbas me assegurou que ele está pronto para trabalhar na direção desse objetivo (paz) com boa fé. E o primeiro-ministro Netanyahu me prometeu o mesmo", afirmou Trump em declarações à imprensa ao lado de Abbas.

O líder palestino reafirmou sua defesa da solução de dois Estados, de acordo com as fronteiras existentes em 1967, com a capital da Palestina em Jerusalém Oriental. A expansão dos assentamentos israelenses e o fortalecimento da extrema direita no país tornam essa possibilidade cada vez mais remota. 

Em fevereiro, Trump abandonou a posição mantida por mais de duas décadas pelos EUA e disse que não estava comprometido com a criação de dois Estados. "Eu estou olhando para dois Estados para um Estado e eu gosto da que os dois lados gostarem. Eu estou feliz com o que os dois lados quiserem", declarou, durante visita de Netanyahu a Washington.

Trump esteve em Israel e na Cisjordânia depois de participar no domingo da Cúpula Islâmica Árabe Americana na Arábia Saudita, primeiro destino de sua primeira viagem internacional. Em suas declarações nos últimos dias, o presidente americano vinculou o processo de paz à união de Israel e Estados árabes diante do Irã, o país xiita visto como adversário comum da região.

"Você notou de maneira sucinta que ameaças comuns estão transformando antigos inimigos em parceiros e é nisso que vejo algo novo e potencialmente promissor", declarou Netanyahu na segunda-feira, dirigindo-se a Trump. "Não será simples, mas pela primeira vez em muitos anos, e pela primeira vez em minha vida, eu vejo esperança real de mudança."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.