Mladen Antonov/Reuters
Mladen Antonov/Reuters
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Trump equilibra os pratos

Ao mesmo tempo, líder americano lida com as provocações da Coreia do Norte e a projeção de poder da China e da Rússia

O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2017 | 05h00

Todo presidente americano convive com o triplo desafio de cuidar da economia, dos interesses estratégicos globais dos EUA e, claro, da própria popularidade. As políticas externa e de defesa americanas são um resultado da correlação entre esses três objetivos. 

Ao longo de décadas sobrevivendo e crescendo no selvagem mercado imobiliário de Nova York, Donald Trump desenvolveu uma autoconfiança sobre sua habilidade de equilibrar pratos. É o que o presidente americano está tentando fazer, ao lidar com as provocações da Coreia do Norte e a projeção de poder da China e da Rússia. 

Não é um jogo simples, mas o presidente americano dobra a aposta, ao insistir na vinculação entre comércio e defesa. Trump adotou essa abordagem com a China desde antes de tomar posse, em janeiro, acenando com a imposição de tarifas sobre os produtos chineses se o país não contiver o regime norte-coreano. 

Ele voltou ao tema nesta semana, depois do lançamento, pela Coreia do Norte, de seu primeiro míssil intercontinental, com alcance para atingir o Alasca. Trump ameaçou sobretaxar o aço chinês, que hoje detém 26% do mercado americano, e está sob pressão em razão do excedente de produção das siderúrgicas estatais da China. 

O presidente falou também de “severas” consequências para o comportamento de Pyongyang, e sua embaixadora na ONU, Nikki Haley, admitiu o uso da força militar, mesmo ressalvando que os EUA prefeririam evitá-lo.

Durante a campanha, Trump ameaçou impor tarifas de até 45% sobre os produtos chineses na tentativa de reverter a exportação de empregos industriais americanos. Em si mesma, essa estratégia já é controvertida. Associá-la ao plano geral dos objetivos de defesa americanos seria uma inovação, com resultados duvidosos.

Sanções econômicas têm sido aplicadas para pressionar países a mudar de curso, com variados graus de sucesso. Os exemplos de maior êxito foram o embargo comercial contra a África do Sul como pressão pelo fim do apartheid, nos anos 80, e o papel das sanções contra o Irã na ascensão do presidente moderado Hassan Rohani, em 2013, seguida da assinatura do acordo nuclear, dois anos mais tarde.

Há mais exemplos de fracasso que de êxito: as cinco décadas de bloqueio contra Cuba, as sanções adotadas em 2014 contra a Rússia após a anexação da Crimeia e do apoio aos separatistas russos no leste da Ucrânia e as próprias medidas contra a Coreia do Norte. 

Considerando-se a cultura chinesa, a índole nacionalista do presidente Xi Jinping e a própria importância econômica e comercial da China para o mundo, sanções para pressioná-la a abandonar o excêntrico ditador norte-coreano Kim Jong-un à própria sorte poderiam surtir o efeito contrário do esperado.

Já no papel de caixeiro-viajante, Trump tem colhido resultados. O governo americano aprovou a venda de armas no valor de US$ 1,4 bilhão para Taiwan, que a China considera uma província desgarrada e uma ameaça a sua integridade territorial.

Na visita a Varsóvia, na quarta-feira, Trump selou a venda de oito baterias de mísseis Patriot à Polônia, por US$ 7,6 bilhões.

O alvo é a Rússia, que ainda vê o Leste Europeu como sua zona de influência, mantém mísseis perto da fronteira polonesa, com as ex-repúblicas soviéticas do Mar Báltico e se ressente da incorporação desses países à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Depois de considerar a aliança atlântica “obsoleta”, Trump a elevou ao status de anteparo contra a barbárie. Mais uma vez vinculando economia e defesa, ele louvou a Polônia por ser um dos únicos países a cumprir a meta da Otan de destinar no mínimo 3% do PIB ao orçamento militar.

Depois de condenar o “comportamento desestabilizador da Rússia” e seu “apoio a regimes hostis” (sírio e iraniano), ele firmou com o presidente Vladimir Putin um cessar-fogo na Síria. Qual será o ponto de convergência de tantos objetivos? Tudo depende de onde Trump pretende ancorar sua popularidade cada dia mais rarefeita.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.