Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

Internado após diagnóstico de covid, Trump recebe tratamento com Remdesivir

Casa Branca informou que presidente passará alguns dias no hospital Walter Reed para tratamento e continuará trabalhando

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2020 | 17h46
Atualizado 05 de outubro de 2020 | 14h54

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, que testou positivo para o novo coronavírus nesta madrugada, chegou ao Centro Médico Walter Reed na noite desta sexta-feira, 2, onde ficará internado pelos próximos dias. O presidente, de 74 anos, apresentou sintomas leves, como cansaço e febre, informou a Casa Branca. O médico responsável afirmou que Trump está "muito bem" e recebeu uma primeira dose de Remdesivir, droga antiviral que tem sido usada em pacientes com covid-19.

Em sua primeira declaração desde que contraiu covid, Trump afirmou estar "muito bem", em um breve vídeo publicado em sua conta no Twitter antes de embarcar para o Walter Reed.

"Quero agradecer a todos pelo tremendo apoio", disse. "Vou ao hospital Walter Reed. Acho que estou muito bem. Mas vamos nos assegurar de que tudo correrá bem", explicou, afirmando que a esposa Melania, que também testou positivo, está "muito bem".

A porta-voz da Casa Branca, Kayleigh McEnany, informou que Trump continuará trabalhando. "Após a recomendação de seu médico e de especialistas, o presidente trabalhará do gabinete presidencial do hospital miltar de Walter Reed nos próximos dias", disse ela, acrescentando que ele trabalhou ao longo do dia. O gabinete é equipado para permitir que o presidente continue a desempenhar suas funções. 

Um pouco antes, o médico da Casa Branca Sean Conley explicou que o presidente estava "cansado", mas de "bom humor" e recebeu uma dose de um tratamento experimental com um coquetel sintético de anticorpos contra o coronavírus. "Ele está sendo avaliado por uma equipe de especialistas e juntos eles vão emitir suas recomendações sobre os próximos passos a serem seguidos pelo presidente e pela primeira-dama", acrescentou o médico, em comunicado.

Na noite desta sexta-feira, o médico reafirmou que Trump estava "muito bem" e que não precisava de oxigênio suplementar. Ele também disse que o presidente recebeu uma primeira dose de Remdesivir, droga antiviral intravenosa que tem demonstrado que pode diminuir o período de internação dos pacientes de covid-19

Ele também informou que a primeira-dama, Melania Trump, continua bem, com apenas uma tosse leve e dor de cabeça, e o restante da família está bem e com testes negativos para a covid-19. 

No Twitter, o presidente escreveu: "Estou indo bem, eu acho! Muito obrigado. AMOR!!!". 

Segundo o site da TV CNN, Trump apresentou febre pela manhã, citando uma fonte que não foi identificada, que esclareceu que a febre é consistente com a descrição da Casa Branca de que ele tem apresentado "sintomas leves".

Mais cedo nesta sexta-feira, o jornal The New York Times também afirmou que Trump está apresentando sintomas de covid-19, mas leves, segundo duas pessoas próximas a ele e familiarizadas com sua condição.

Trump recebe mensagens de apoio

Na manhã deste sábado, o presidente da China, Xi Jinping, desejou uma "rápida recuperação" ao presidente norte-americano e à primeira dama. O primeiro ministro do Reino Unido, Boris Jonhson, também se pronunciou nesta manhã: "Tenho certeza que Trump terá uma rápida recuperação, ele é um sujeito naturalmente resiliente".

O presidente russo, Vladimir Putin, mandou um telegrama com uma mensagem calorosa a Trump: "Estou convencido de que sua vitalidade natural, sua força de espírito e seu otimismo o ajudarão a derrotar este perigoso vírus".

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, disse que ele e a esposa rezam para uma "rápida recuperação". Mas ele também pediu que os americanos "não sejam durões" e "usem máscaras". Ex-presidente democrata, Barack Obama enviou votos de saúde. "Estamos no meio de uma batalha política neste momento (...) mas recordemos que somos todos americanos e seres humanos e queremos que todos se curem, independentemente do seu partido político", escreveu ele no Twitter.

Outras autoridades que enviaram votos de melhora a Trump foram os primeiro ministros da Índia, Narenda Modi, e de Israel, Benjamin Netanyahu; os presidentes do Egito, Abdel-Fattah el-Sissi, e da Turquia, Tayyip Erdogan; além do líder da Coréia do Norte, Kim Jong Un. /COM AFP E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.