Tom Brenner/Reuters
Tom Brenner/Reuters

Trump fará discurso de aceitação de candidatura à reeleição na Casa Branca

A escolha da Casa Branca, sede do governo, para um evento partidário pode levar a problemas jurídicos, advertiram especialistas

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2020 | 21h43

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira, 17, que fará seu discurso de aceitação da candidatura à reeleição pelo Partido Republicano na Casa Branca, depois de descartar a possibilidade de fazê-lo em outros locais devido à pandemia do novo coronavírus.

O discurso acontecerá na quinta-feira da próxima semana, dia 27, ao final da Convenção Nacional Republicana.

O presidente americano anunciou que fará seu discurso "ao vivo na Casa Branca" durante um evento de campanha nesta segunda-feira em Oshkosh, no Estado do Wisconsin, onde ele também criticou o formato virtual da Convenção Nacional Democrata, que começa hoje e na qual Joe Biden será ratificado como seu adversário nas eleições de novembro.

"Quem quer ouvir Michelle Obama fazer um discurso gravado? Não, você tem de estar lá", disse Trump.

A escolha da Casa Branca, sede do governo, para um evento partidário pode levar a problemas jurídicos, advertiram especialistas.

A decisão foi tomada após Trump ser forçado a mudar o local do discurso do local original da convenção - de Charlotte, no Estado da Carolina do Norte, para Jacksonville, na Flórida - por causa das restrições das autoridades locais devido à pandemia.

Como a Flórida tornou-se depois um dos Estados com mais casos de covid-19, Trump também teve de suspender o evento, que foi planejado em um estádio com capacidade para 15 mil pessoas.

Para Entender

Eleições nos EUA: entenda o processo eleitoral americano

Saiba como funcionam bipartidarismo, prévias, escolha dos vices, colégio eleitoral, votos, apuração e pesquisas na disputa presidencial dos Estados Unidos

Na semana passada, Trump afirmou que planejava fazer o discurso na pequena cidade de Gettysburg, no Estado da Pensilvânia, onde a batalha mais sangrenta da Guerra Civil americana aconteceu, em 1863, e onde o então presidente Abraham Lincoln fez um de seus discursos mais memoráveis.

Já Biden fará por videoconferência seu discurso de aceitação na quinta-feira, em seu Estado natal, Delaware. Ele também suspendeu o local original, em Milwaukee, em Wisconsin, por causa da pandemia. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.