Jonathan Ernst/REUTERS
Jonathan Ernst/REUTERS

Trump faz comício em Nevada e desafia medidas de prevenção ao novo coronavírus

Reuniões com mais de 50 pessoas estão proibidas no Estado governado por democrata; presidente criticou mais uma vez o sistema de votação pelos correios

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2020 | 02h56

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, desafiou neste sábado, 12, as normas de proteção contra a covid-19 ao participar do primeiro comício no Estado-chave de Nevada. Trump acusou a oposição democrata de "fraudar" as eleições de novembro ao facilitar o voto pelo correio.

Ele falou para milhares de pessoas, a grande maioria sem máscara, no hangar do aeroporto da pequena localidade de Minden, apesar de as reunições de mais de 50 pessoas terem sido proibidas no Estado como parte das medidas de prevenção ao novo coronavírus. 

"O governador do Estado tentou de todas as formas evitar que fizéssemos este ato hoje à noite", disse Trump em referência ao democrata Steve Sisolak. A campanha de reeleição do presidente se viu obrigada a cancelar dois comícios que tinha previstos para este sábado e domingo em Reno e Las Vegas, respectivamente, depois de as autoridades de Nevada alertarem sobre as restrições relacionadas à pandemia no Estado. 

O alerta não deteve Trump, que programou o primeiro comício para o pequeno aeroporto de Minden, no oeste do Estado, e um segundo ato neste domingo em Henderson (próximo a Las Vegas), na sede de uma empresa que as autoridades locais já ameaçaram processar caso siga adiante com o evento.

"É neste tipo de governador que confiamos com milhões e milhões de votos. Pode manipular as eleições", disse Trump em referência à decisão de Sisolak de enviar cédulas a todos os eleitores do estado para caso decidam votar pelo correio.

Trump insiste em alegar que este método de votação pode favorecer uma possível fraude, apesar de vários estudos demonstrarem que é extremamente improvável. O comício, que durou quase duas horas, foi realizado próximo à divisa com a Califórnia, onde vários incêndios têm sido registrados há semanas. A qualidade do ar no aeroporto de Minden era considerada "insalubre", mas Trump aproveitou para promover sua decisão de retirar-se do Acordo de Paris sobre o clima. 

Ele se dirigiu especialmente aos latinos ao dizer que alguns o preferem como presidente e declarou: "Vamos ganhar com uma proporção recorde de votos hispânicos em novembro". 

O presidente, que neste domingo, 13, participará de uma mesa redonda com latinos em Las Vegas, perdeu o voto hispânico por uma enorme diferença em 2016, mas especulações apontam que este setor da populaçã o pode estar ligeiramente mais inclinado a escolher Trump que quatro anos atrás.  

A visita de Trump a Nevada demonstrou que ele aposta no Estado onde nenhum republicano venceu as eleições presidenciais desde 2004 e onde Biden mantém uma vantagem de seis pontos percentuais sobre o atual presidente./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.