REUTERS/Leah Millis
REUTERS/Leah Millis

Trump forçou Coreia do Norte a implorar por reunião, diz Giuliani

Segundo advogado do presidente americano, líder norte-coreano é mais fraco e deve reconhecer isso para que a cúpula produza resultados

O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 10h59

JERUSALÉM - O ex-prefeito de Nova York e atual advogado do presidente americano Donald Trump, Rudy Giuliani, afirmou que a linha dura do governo dos Estados Unidos forçou o líder norte-coreano, Kim Jong-un, a implorar para que a cúpula entre os dois países fosse remarcada. Depois que o encontro foi cancelado por Trump, "Kim Jong-un se ajoelhou e implorou", disse Giuliani na quarta-feira, 6.

O advogado rejeitou o argumento de que seus comentários possam azedar a atmosfera antes da cúpula histórica, marcada para a próxima terça-feira, em Cingapura. Ele afirmou que Kim deve entender que os EUA estão em uma posição de força. "Isso aponta que o presidente é a figura mais forte", disse. "E não haverá negociações úteis a menos que ele aceite isso."

+ Casa Branca confirma reunião entre Trump e Kim no dia 12 às 9h

+ Endereço da cúpula entre Trump e Kim em Cingapura é escolhido

Segundo Giuliani, Trump não teve escolha a não ser cancelar a reunião depois de o governo norte-coreano chamar o vice-presidente americano, Mike Pence, de "manequim político" e dizer que Pyongyang está pronta para encontrar os EUA tanto na mesa de negociações como em um confronto nuclear.

+ Forças americanas estão prontas para responder à Coreia do Norte, diz Trump

O advogado afirmou que Kim mudou seu posicionamento rapidamente após o cancelamento e expressou disposição para discutir a desnuclearização, pedindo que a reunião fosse realizada. "É isso que quero dizer com implorar", explicou.

+ Kim Jong-un diz a chanceler russo que está comprometido com desnuclearização

+ Da guerra verbal à cúpula cancelada: 18 meses da relação Kim-Trump

Giuliani ressaltou que este é seu posicionamento pessoal e que não faz parte do time de política externa dos EUA. Ele está em Jerusalém para uma série de compromissos, incluindo uma conferência de negócios em Tel-Aviv e um discurso no OneFamily, grupo de apoio para israelenses que tiveram parentes feridos ou mortos por ataques palestinos. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.