Jason Reed/Reuters
Jason Reed/Reuters

Trump frustrou jantar romântico de ex-diretor do FBI

James Comey contou em seu depoimento no Senado que pretendia jantar com a mulher quando foi convocado pelo presidente na Casa Branca; foi nessa ocasião, disse, que Trump lhe pediu 'lealdade'

Cláudia Trevisan, Correspondente / Washington, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 20h41

James Comey pretendia jantar com sua mulher, Patrice Failor,  no dia 27 de janeiro, uma sexta-feira, mas teve de cancelar os seus planos para jantar com Donald Trump na Casa Branca. “Essa é a melhor desculpa de todos os tempos para desmarcar um encontro”, brincou o senador independente Angus King durante depoimento do ex-diretor do FBI no Congresso.

Em meio a risos dos parlamentares e da plateia, Comey respondeu: “Em retrospecto eu preferiria…Eu adoro estar com minha mulher. Eu gostaria de ter estado com ela naquela noite”, afirmou. Em vez disso, ele jantou com Trump em uma pequena mesa oval do Salão Verde da Casa Branca. 

Segundo Comey, foi nesse encontro que o presidente disse a surpreendente frase “eu preciso de lealdade. Eu espero lealdade”.

A narrativa de ambos sobre como o encontro foi marcado é divergente. O ex-diretor do FBI sustenta que o presidente telefonou para ele na hora do almoço para fazer o convite. “Eu desliguei o telefone e liguei para minha mulher para desmarcar o encontro com ela”.

Em entrevista à rede NBC no dia seguinte à demissão de Comey, Trump afirmou: “Ele queria jantar, porque ele queria permanecer (no cargo)”. No dia seguinte, o presidente insinuou no Twitter que tinha gravações das conversas com Comey, o que foi interpretado por muitos analistas como uma tentativa de intimidá-lo.

Hoje, o ex-diretor do FBI disse que gostaria que Trump levasse a sério a ameaça. “Deus, eu espero que existam fitas”, afirmou. “Eu espero que elas existam e eu estou de acordo com sua divulgação.”

 

Tudo o que sabemos sobre:
James ComeyDonald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.