AP Photo/Ahn Young-joon
AP Photo/Ahn Young-joon

Trump indica que libertação de americanos detidos na Coreia do Norte é iminente

Presidente exige há meses de Pyongyang que Kim Hak-song, Kim Sang-duk e Kim Dong-chul sejam libertados

O Estado de S.Paulo

03 Maio 2018 | 08h20

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, indicou na noite de quarta-feira, 2, que o anúncio sobre a libertação de três americanos detidos na Coreia do Norte é iminente.

+ Artigo: Trump e a velha desculpa do 'vamos ver'

+ Trump insinua que encontro com Kim pode ocorrer na fronteira entre as Coreias

"Como todo mundo sabe, a administração anterior (de Barack Obama) exigiu, durante um longo tempo, que três reféns fossem libertados de um campo de trabalho norte-coreano, mas sem sucesso. Fiquem atentos", escreveu o republicano em sua conta no Twitter.

+ Análise: Unidade coreana tira moeda de troca do presidente americano

+ Após cúpula intercoreana, ministro chinês visitará Coreia do Norte

Há vários meses a administração Trump exige de Pyongyang a libertação dos três homens: Kim Hak-song, Kim Sang-duk e Kim Dong-chul.

Kim Dong-chul, um pastor coreano-americano, foi detido sob a acusação de espionagem e condenado em 2016 a 10 anos de trabalhos forçados. Os outros dois homens foram detidos em 2017, após a chegada de Trump ao poder.

Consultado sobre as possíveis libertações, um funcionário do departamento de Estado - que pediu para não ser identificado - declarou "não estar em condições de confirmar a validade destas informações".

No domingo, o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, declarou que "se a Coreia do Norte libertasse os americanos detidos antes da cúpula" entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, "seria uma forma de demonstrar sua boa vontade". / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.