AP/Ross D. Franklin
AP/Ross D. Franklin

Trump indulta ex-xerife envolvido em caso de discriminação racial

Presidente ignora princípios constitucionais pelos quais o perdão é concedido e diz que Joe Arpaio presou um admirável serviço à nação

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2017 | 22h14

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, concedeu indulto nesta sexta-feira ao ex-xerife Joe Arpaio, que havia sido condenado  por desacato à Justiça por um caso de discriminação racial.

"A vida e a carreira de Arpaio, que começou aos 18 anos quando ele se alistou no Exército após o início da Guerra da Coreia, são um exemplo do serviço público", disse Trump. "Durante esse tempo como xerife, Arpaio dedicou sua vida a proteger o público dos flagelos do crime e da imigração ilegal."

"O xerife Joe Arpaio tem 85 anos, e após mais de 50 anos de admirável serviço à nação, merece um perdão presidencial", afirmou Trump em comunicado.

O ex-xerife do Condado de Maricopa, Arizona, foi processado pela União Americana de Liberdades Civis (ACLU, nas siglas em inglês), que o acusou de violar a lei ao deter imigrantes ilegais simplesmente porque não tinham status legal.  Sob as ordens de Arpaio, policiais paravam pessoas com aparência latina durante suas patrulhas exigindo documentos e as detinham se não estivessem regularizadas. Um juiz ordenou em 2011 que ele parasse com as prisões, mas Arpaio irgnorou as ordens e manteve as detenções.

Analistas americanos criticaram o perdão de Trump a Arpaio. Alguns dizem que a medida foi tomada antes de finalizado o processo -- a sentença seria divulgada em outubro. Outros disseram que a decisão teria de passar pelo Departamento de Justiça antes de ser assinada pelo presidente. Trump, no entanto, decidiu de maneira unilateral. Fundamentalmente, o perdão a Arpaio, segundo muitos juristas, pode minar o estado de direito.

Arpaio também provocou polêmica em 2016 ao afirmar que o documento apresentado pela Casa Branca como a certidão de nascimento do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, era "falsificado" e tinha sido "alterado".

O xerife retomou a velha polêmica que começou em 2011, quando a pedido de membros locais do Tea Party, a ala mais conservadora do Partido Republicano, se iniciou uma investigação em torno da veracidade da certidão de Obama e pela qual chegou a enviar voluntários até o Havaí.

Renúncia. Ainda nesta sexta-feira, o vice-assistente de Segurança Nacional e Contraterrorismo do presidente Trump, Sebastian Gorka, renunciou, segundo a mídia americana. Citando várias fontes familiares com a situação, o jornal Federalist afirmou que Gorka expressou, em sua carta de renúncia, sua "insatisfação" com o atual estado do governo Trump.

"Como resultado, a melhor e mais efetiva maneira de apoiá-lo, sr. presidente, é do lado de fora da 'Casa do Povo'", teria dito o assistente, segundo o jornal. A CNN também anunciou a saída de Gorka. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Donald Trump Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.