Bloomberg photo by Al Drago
Bloomberg photo by Al Drago

Trump insinua que encontro com Kim pode ocorrer na fronteira entre as Coreias

Presidente americano diz que Casa da Paz, edifício situado na faixa sul da Área de Segurança Conjunta onde o líder norte-coreano se reuniu na semana passada com o presidente sul-coreano, pode ser local 'mais representativo, importante e duradouro' para reunião

O Estado de S.Paulo

30 Abril 2018 | 12h04

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insinuou nesta segunda-feira, 30, que o aguardado encontro com o líder norte-coreano Kim Jong-un poderia acontecer na localidade de Panmunjom, na Zona Desmilitarizada entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte.

The Economist: Qual será o Kim Jong-un que Donald Trump encontrará?

Trump escreveu no Twitter que vários países "estão sendo considerados" para essa reunião, mas se perguntou se "seria a Casa da Paz, na fronteira entre as Coreias do Norte e do Sul, um lugar mais representativo, importante e duradouro que um terceiro país. Estou apenas perguntando!".

A Casa da Paz, um edifício situado na faixa sul da Área de Segurança Conjunta (JSA, na sigla em inglês), foi o lugar em que se reuniram na semana passada Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, na primeira reunião entre líderes das duas Coreias em 11 anos.

Trump anunciou no sábado que a reunião com Kim acontecerá daqui "três ou quatro semanas", o que representa uma leve antecipação em relação às estimativas da Casa Branca, que estabeleceu o encontro para o fim de maio ou início de junho.

Análise: Unidade coreana tira moeda de troca do presidente americano

Esta é a primeira vez em que o presidente dos EUA se pronuncia sobre um lugar exato para a realização da histórica reunião, já que, até agora, tinha falado de "duas ou três sedes" que estavam sob consideração.

Vários países, como Tailândia e Mongólia, tinham se oferecido para receber a cúpula, que tem como objetivo principal iniciar o processo de desnuclearização da Coreia do Norte.

Seul afirma que a Coreia do Norte prometeu fechar seu local de testes nucleares e convidou especialistas em armas americanos para verificar o processo.

Kim também disse a Moon que o Norte não vai precisar de armas nucleares se os Estados Unidos prometerem não invadir o país, segundo fontes oficiais sul-coreanas.

O ceticismo de quem fugiu da ditadura norte-coreana

O presidente sul-coreano opinou que a meta de desnuclearização e o fato de ter conseguido a realização de uma reunião são motivos suficientes para que Trump seja o próximo ganhador do prêmio Nobel da Paz. Para Moon, Trump "deveria ganhar o prêmio Nobel da Paz por conseguir as reuniões intercoreanas."

O encontro entre Kim e Trump será a primeira vez em que os líderes de EUA e Coreia do Norte se reúnem em 70 anos de conflito, que começou com a Guerra da Coreia (1950-1953), e de 25 anos de negociações fracassadas. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.