Mandel Ngan/AFP
Mandel Ngan/AFP

Trump libera acesso de Biden aos relatórios de segurança do governo

Biden passará a receber coleção de relatórios secretos preparados pela comunidade de inteligência; na Casa Branca, republicano conduziu a tradicional celebração do perdão do peru que ocorre às vésperas da Ação de Graças nos EUA

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2020 | 18h23
Atualizado 24 de novembro de 2020 | 20h42

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, autorizou nesta terça-feira, 24, o acesso de seu sucessor aos principais relatórios secretos de segurança e inteligência do país. Um funcionário da Casa Branca disse que Trump permitiu que o presidente eleito, Joe Biden, passe a receber o briefing diário presidencial - uma coleção de relatórios secretos preparados pela comunidade de inteligência do país para os líderes mais importantes do governo. 

O funcionário disse que a logística de quando e onde Biden receberá o briefing pela primeira vez ainda está sendo elaborada. A determinação vem um dia depois que a Administração de Serviços Gerais (GSA, na sigla em inglês) abriu caminho para o início do planejamento formal de transição para a administração Biden, antes de sua posse, em 20 de janeiro. 

Trump continua a semear dúvidas sobre o resultado da eleição de 3 de novembro e não concedeu formalmente, mas cada vez mais seu governo está se preparando para a transferência.

Nesta terça-feria, o republicano insistiu que não está desistindo de sua luta para anular os resultados da eleição, mas em todo o governo federal, os preparativos já começaram a ser feitos seriamente para apoiar a próxima administração.

Poucas horas após o reconhecimento da GSA, na noite de segunda-feira, da vitória de Biden na eleição de 3 de novembro, funcionários federais de carreira abriram as portas das agências para centenas de assessores de transição prontos para se preparar para sua posse.

O presidente tem se mantido discreto desde sua derrota. Ele fez uma rápida aparição na sala de imprensa hoje mais cedo para um pronunciamento de pouco mais de um minuto sobre a negociação em níveis recordes da Dow Jones. 

Mais tarde, conduziu a tradicional celebração do perdão de peru que ocorre às vésperas da Ação de Graças (26) nos EUA, nos jardins da Casa Branca. Como tem feito há semanas, ele não respondeu a perguntas de jornalistas./AP e Reuters 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.