Reuters
Reuters

‘Trump nunca imaginou que ganharia a eleição'

Segundo advogado e ex-vice-presidente das Organizações Trump, agora o magnata está percebendo a responsabilidade e as decisões que precisam ser tomadas

Entrevista com

George Ross

Flavia Alemi, O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 05h00

Provavelmente uma das figuras que mais conhece o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o advogado George Ross passou 47 de seus 90 anos de vida ao lado do empresário, 17 deles como vice-presidente executivo da Trump Organization. 

Em São Paulo para dar uma aula sobre a arte da negociação a empresários dispostos a pagar R$ 8 mil pelo evento, Ross defendeu a postura de negociador de Trump na presidência e criticou a abordagem de parte da imprensa americana na cobertura política. A seguir, trechos de sua entrevista ao Estadão/Broadcast:

- O senhor passou 47 anos ao lado de Trump. Como o senhor o descreveria?

Essa é uma resposta fácil. Ele é um excelente negociador. Ele faz o que é necessário para ganhar um negócio. Ele consegue realmente fazer com que as pessoas gostem dele, sintam-se confortáveis com ele, o que é a chave para uma boa negociação. Ele pode ser o quão encantador quiser, ou tão duro como deve ser, mas fará o que for necessário no momento. Ele é totalmente imprevisível e essa é a marca registrada de um bom negociador. 

- Recentemente, Trump trocou membros de seu gabinete, alguns de seus conselheiros mais próximos. Isso é comum no mundo dos negócios?

É comum no mundo dos negócios dele. Donald tem a capacidade de delegar. E quando ele consegue alguém em que ele confia e faz o que ele quer que seja feito, ele lhe dá poder total. Você não pode dizer "não podemos fazer isso porque nunca foi feito assim". Essa não é uma resposta para ele. E isso não é o que os políticos costumavam ouvir.

- O Donald Trump sentado no Salão Oval hoje é o mesmo que apresentava O Aprendiz?

Não. Nem um pouco.

- O que mudou?

A presidência. Eu não acho que ele pensava que iria ganhar. E agora, de repente, ele percebe a tremenda responsabilidade e decisões que precisam ser feitas. Em sua organização, ele podia fazer o que quisesse. Ele não precisava se reportar a ninguém. É totalmente diferente. Mas ele é um patriota. Ele ama os Estados Unidos e ele acha que ele pode melhorar. 

- Ele é bastante criticado por outros chefes de Estado.

É claro! Porque eles são políticos! Ele não tem medo de ofender ninguém, não importa quem seja. Se ele não concorda com você, ele fala: "eu não concordo com você". A maioria dos políticos não faz isso. O mesmo acontece com a Otan nesse ponto. O povo americano vem pagando por anos. Por que o restante das pessoas não paga? Quando ele fala sobre "EUA primeiro", isso é um sentimento: por que nós temos de apoiar o mundo quando temos tanta coisa para fazer em casa?

- O que o sr. pode dizer sobre a abordagem de Trump sobre as tarifas sobre aço e alumínio?

Haverá tarifas, mas não do jeito que ele está dizendo. Trump jogou um número alto e depois irá recuar. Mas se ele colocasse um número baixo, ele ainda receberia críticas. Ele pode voltar atrás e em vez de colocar tarifa de 25% sobre o aço, ele pode colocar 5%, por exemplo. Quem sabe? Quando você lança uma posição, você joga a sua pior. Não venha direto com o que você gostaria. É assim que se negocia. Tudo o que ele quer é iniciar as negociações. É o ponto de partida, não o ponto final.

- As tarifas são uma maneira de forçar o Canadá e o México a negociarem um Nafta melhor?

Ele disse que irá isentar o Canadá e o México.

- Apenas se eles negociarem o Nafta.

Eles têm um acordo especial de qualquer maneira. Isso é um negociador. Ele não oferece suas melhores posições primeiro. Durante todo o tempo em que estive com Trump, eu o vi chegar até o limite, mas nunca ultrapassá-lo. Nunca. Quando chegar o momento, ele dirá "vamos conversar". E esse é o estilo dele.

- Você acha que ele deveria mudar?

Não, ele não pode mudar. Esse é o estilo dele. E eu não posso dizer que tudo o que ele fez foi certo ou bom, mas ele é diferente? Com certeza. Então, quando ele diz que vai conversar com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, maravilha! Não é melhor do que ameaçar uma guerra? Os republicanos não gostam dele, os democratas também não, o Congresso não sabe o que fazer com ele... Ele é imprevisível. 

- Os democratas forçaram a paralisação do governo alegando a falta de uma proposta para o Daca, programa que protege jovens imigrantes de deportação. 

Isso foi apenas os democratas tentando provar que eles podiam paralisar o governo. O Daca não teve nada a ver com aquilo. Basicamente, o que eles disseram foi que eles queriam incluir 400 mil pessoas no programa. Trump disse: "há 1,6 milhão. Vamos incluir todos". Então ele deu aos democratas o que eles queriam. Onde está o projeto? Onde está a legislação? Trump nunca foi contra o Daca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.