AP Photo/ Evan Vucci
AP Photo/ Evan Vucci

Trump exige que europeus julguem seus jihadistas presos na Síria

Presidente defende que cerca de 800 membros europeus do EI, detidos pelos americanos na Síria, sejam levados a julgamento na Europa

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2019 | 02h37
Atualizado 18 de fevereiro de 2019 | 11h22

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou neste domingo, 17, que solicitou aos países da Europa que recebam mais de 800 combatentes do Estado Islâmico capturados na Síria e os levem a julgamento em seu território. Os jihadistas europeus foram capturados durante operações americanas. 

“O califado está pronto para cair”, afirmou Trump no Twitter. “Fazemos muito e gastamos muito. E hora de outros darem um passo adiante e fazerem o trabalho.” Se os europeus não assumirem os jihadistas, o presidente americano sugeriu que pode libertá-los. 

 

Tradução: Os Estados Unidos estão solicitando que a Inglaterra, França, Alemanha e outros aliados europeus retirem mais de 800 combatentes do Estado Islâmico que nós capturamos na Síria e os coloquem em julgamento. O Califado está pronto para cair. A alternativa (caso isso aconteça) não é uma boa, seremos forçados a libertá-los.  

Em resposta a Trump, o ministro da Justiça da Bélgica, Koen Greens, defendeu uma “solução europeia” para a repatriação dos jihadistas. O melhor a se fazer, segundo ele, é encontrar uma solução que tenha o maior apoio possível com o menor dos riscos.

Greens não entrou em detalhes sobre a solução e afirmou apenas que é preciso descartar a possibilidade de uma simples libertação dos prisioneiros na Síria, entre os quais estimou haver um número “muito limitado” de belgas. Segundo os americanos, a maioria dos jihadistas do EI capturados vem de Reino Unido, Alemanha e França. 

Na sexta-feira, Trump disse que, em um prazo de 24 horas, faria um “grande anúncio” sobre a Síria e a luta contra o Estado Islâmico. Na mesma sequência de mensagens no Twitter hoje, o presidente americano afirmou que os EUA estavam se retirando da Síria após uma vitória de “100% sobre o califado”. No entanto, vários comandantes de seu Exército e da aliança internacional que estão em combate disseram que as afirmações não representavam a realidade no terreno. 

Os últimos jihadistas lutavam hoje na cidade de Al-Baguz, na margem oriental do Rio Eufrates, em sua passagem pela Província de Deir ez Zor, perto da fronteira iraquiana. Além disso, o EI ainda tem presença em algumas zonas desérticas da Síria. Por isso, Al-Baguz é considerado o último enclave do chamado “califado”, que os jihadistas proclamaram em meados de 2014, na Síria e no Iraque. 

Moderação

Ainda ontem, o enviado especial dos EUA à Síria afirmou que os americanos não farão uma retirada abrupta de suas tropas e consultarão aliados sobre o assunto.  “Temos dito a eles (aliados) continuamente que isso não será uma retirada abrupta e rápida, mas uma retirada passo a passo”, afirmou James Franklin Jeffrey, durante a Conferência de Segurança de Munique, ao falar sobre as preocupações dos aliados sobre a decisão dos EUA de retirar 2 mil soldados da Síria, anunciada por Trump em dezembro.

No fim de semana, a aliança militar liderada pelos curdos, as Forças da Síria Democrática (FDS), afirmou que a luta contra o EI terminará em “questão de dias”. Segundo a FDS, a única coisa que impede a declaração de vitória é a libertação dos prisioneiros retidos pelo grupo.

A aliança organizou hoje uma reunião entre representantes regionais, conselhos e instituições militares para discutir a fase final da ofensiva e a estratégia posterior à derrota “militar do califado”. A aliança deixou claro que a luta não estará encerrada enquanto todos os prisioneiros não forem liberados. / REUTERS, EFE e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.